Cassilândia Notícias

Cassilândia Notícias
Cassilândia, Segunda, 25 de Outubro de 2021
Envie sua matéria (67) 99266-0985

Geral

Turismo: pequenos roteiros, grandes negócios

Otávio Demasi - 14 de agosto de 2003 - 16:40

Se vasculharmos os roteiros turísticos oferecidos, constata-se um vazio mercadológico: a maioria deixa os destinos de curta duração e baixa quilometragem à descobertos. Tal tendência está sendo revertida. Se tomarmos alguns indicadores como: populações concentradas nas grandes áreas metropolitanas do país; o número de pessoas da terceira idade e aposentados; a quantidade de pessoas que, mesmo possuindo habilitação para dirigir, tem medo de enfrentar estradas; as pessoas descasadas, viúvas e solteiras; as de faixa etária até 13 anos; as dificuldades econômicas para gastos mais altos; a tendência de viajar mais vezes foras das férias anuais, pede novas alternativas de roteiros.
É preciso pois, quebrar tabus. O primeiro; que roteiros de curta duração e baixa quilometragem são inevitáveis economicamente. Os mesmos não podem ser vistos como conceito de turismo social, ou como ações voltadas para os denominados “farofeiros”. O segundo que o público só quer excursões de média e longa duração, acoplados a médias e longas distancias. O terceiro: que para roteiros de pouca quilometragem os interessados vão por conta própria. Devemos atentar para a quantidade de pessoas que nos grandes feriados permanecem na cidade e poderiam ser conquistadas com programação diferenciada junto a hotéis, spas , parques temáticos entre outros.
Devemos realizar levantamento de opinião, pesquisas concentradas em fábricas, escritórios, condomínios, faculdades, escolas, aéroportos, estações rodoviárias, postos de gasolina , etc e depois trabalhar os resultados e oferecer ao público , os destinos que foram indicados, com os preços mais justos. Imprescindíveis ações de parcerias no receptivo, envolvendo governo local, comunidade, empresários, fornecedores de serviços, juntamente com os agentes de viagens .
Os caminhos da venda devem ser diferenciados, sendo tais excursões apresentadas e até comercializadas em super e hiper mercados, shopping centers, grandes shows, casas noturnas, faculdades, escolas, clubes, levando assim, o agente de viagem a esses locais de compras , lazer, entretenimento e cultura.. Esse vazio e ao mesmo tempo nicho, podem ser ocupados por “pool” de pequenas agencias , minimizandfo custos e ampliando horizontes.
Outra possibilidade é o roteiro temático, que além de amarrar todas as opções de lazer, traz consigo atividades específicas ,de educação, treinamento, cultural, ambiental, científico, técnico, como por exemplo: esportes radicais, sáfari fotográficos, exploração de cavernas, mini spa, com mínimo de pernoites, tendo como possível alternativa de alojamento as propriedades rurais, onde a vivência do campo, mesmo perto dos grandes centros, com alimentação típica, sejam motivos de satisfação e aumento de vendas.
Otavio Demasi- consultor turismo/jornalista odtur@ig.com.br

SIGA-NOS NO Google News