Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

30/08/2005 16:16

Zeca e Delcídio discutem impactos da crise e eleições

Fabiana Silvestre / Campo Grande News

Impactos da crise política, eleições 2006 e os projetos para Mato Grosso do Sul que dependem do aval da União. Este foi o cardápio do almoço entre o governador Zeca do PT e o senador Delcídio Amaral (PT-MS), nesta terça-feira, em Brasília. Durante cerca de uma hora, os dois principais expoentes do partido no Estado evitaram questões pontuais e, em clima de total descontração, falaram de forma genérica sobre os assuntos que afligem a sigla, em âmbito federal e estadual.

“Fazia tempo que os dois não se encontravam. Foi o momento de colocar os assuntos em dia”, afirma o secretário extraordinário de Representação e Articulação Institucional, Rodrigo Terra. Segundo ele, foram tratadas as articulações políticas para garantir a instalação da fábrica da International Paper em Três Lagoas e a liberação dos recursos do Ipemat (Instituto de Previdência de Mato Grosso) a que Mato Grosso do Sul tem direito. Conforme o Governo do Estado, o montante chega a R$ 640 milhões.

O encontro entre o governador e o senador e pré-candidato petista ao Governo do Estado em 2006 serviu ainda para aparar qualquer aresta que, por ventura, tenha perdurado entre os dois.

O mal-estar começou quando o então candidato do Campo Majoritário do PT, Ben-Hur Ferreira, renunciou à disputa dizendo que o partido não tinha projeto para continuar no poder no Estado e que “setores importantes” do partido estariam “flertando” com o PMDB com vistas às eleições. Tida até então como “boato”, a afirmação de Ferreira foi confirmada posteriormente pelo deputado federal Antônio Carlos Biffi e pelo próprio senador Delcídio Amaral, mas foi rechaçada por Zeca, que classifica a hipótese como especulação. Segundo o governador, nenhum petista foi apontado oficialmente como “andrezista” – alusão aos que estariam confabulando com os rivais históricos em MS.

Soma-se a esse quadro o fato de Amaral estar sendo assediado para retornar ao ninho tucano – de onde saiu para se filiar ao PT – e o “desencontro de agendas” no início deste mês, quando Zeca almoçou com o presidente Lula em Brasília. Amaral disse não ter sido chamado para o encontro, o que foi negado pelo governador.

O secretário Rodrigo Terra reafirma a explicação do “desencontro de agendas” e disse que a ausência de Amaral não foi “proposital”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)