Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

19/11/2004 06:09

Vereadores de Paranaiba terão de devolver dinheiro

TJ/MS

Os membros do Tribunal Pleno, na sessão desta quarta-feira (17), por unanimidade, julgaram procedente a argüição de inconstitucionalidade em apelação cível proposta pelo desembargador membro da 4ª Turma Cível do TJ/MS contra a Câmara Municipal de Paranaíba.
Consta dos Autos nº 1000.030969-3/0001-00, que a presente argüição foi impetrada na intenção de que houvesse reexame da sentença que julgou procedente a ação popular contra a Câmara Municipal. A sentença declarou inconstitucional e nula de pleno direito a resolução dos edis por ter esta infringido o disposto no art. 29 da Constituição Federal, e condenou os vereadores a restituir aos cofres públicos a diferença dos subsídios recebidos indevidamente.
Em voto longo e explicativo, o Des. João Maria Lós, relator do processo, afirmou que os novos vereadores empossados não podem alterar, em benefício de si mesmos, o critério da remuneração estabelecida na legislatura anterior para a subseqüente, mesmo que o façam a pretexto de revisar seus vencimentos com fundamento em dispositivo constitucional do Estado, mas contrariando outros dispositivos da Carta Magna, tais como o princípio da anterioridade e da vedação de vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa, e em desacordo com leis complementares federais ainda em vigor, nas partes não colidentes com o texto magno.
A Resolução contestada na ação popular fixou a remuneração mensal de cada vereador em cinco milésimos sobre a receita do município de Paranaíba efetivamente realizada no mês imediatamente anterior e os autores da ação sustentam que tal ato teria ofendido o inciso V, do art. 29 da CF, que prevê: “remuneração de prefeito, vice e vereadores fixada pela Câmara em cada legislatura, para subseqüente, observado o que dispõe os art. 37, XI, 150, II e 153, § 2º, I”.
Desta forma, de acordo com os autos, teriam os vereadores legislado em causa própria, aumentando violentamente seus subsídios a pretexto de revisar a resolução anterior. Contudo, os edis afirmam que a revisão de seus subsídios foi autorizada pela autonomia municipal consagrada no art. 34, VII, c, da Lei Magna. Assim, segundo eles, essa legitimidade teria permitido tal ato, sem que isso lesasse o erário público.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)