Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

02/06/2015 16:00

Veja porque o STF invalidou condenação de pessoa que transportava lança-perfume

Migalhas

O ministro Celso de Mello concedeu HC para invalidar condenação criminal de pessoa condenada por tráfico de drogas por estar transportando frascos de "lança-perfume". No entendimento do ministro, trata-se de caso de abolitio criminis temporária, uma vez que o cloreto de etila, substância ativa do "lança-perfume", foi excluído por um período de oito dias da lista de substâncias entorpecentes proibidas, editada pela Anvisa, descaracterizando "a própria tipicidade penal da conduta do agente".

Em novembro de 2000, o paciente foi flagrado na posse de 6.016 frascos de "lança-perfume", razão pela qual foi denunciado e, posteriormente, condenado pelos crimes de tráfico de drogas e de corrupção ativa a 6 anos, 5 meses e 15 dias de prisão.

Ocorre que, em dezembro do mesmo ano, a Anvisa editou a resolução 104/00, que excluiu o cloreto de etila da relação constante da Lista das Substâncias Psicotrópicas de Uso Proscrito no Brasil (portaria SVS/MS 344/98).

Na decisão, o ministro lembrou precedente da 2ª turma da Corte que extinguiu a punibilidade de outro paciente reconhecendo que a exclusão do cloreto de etila da lista de substâncias de uso proscrito, ainda que momentânea, operou a abolitio criminis em relação à conduta de alguém ter sob sua posse "lança-perfume".

Ressaltou ainda que o Supremo já firmou entendimento de que "a exclusão do cloreto de etila da lista de substâncias psicotrópicas vedadas editada pelo órgão competente do Poder Executivo da União Federal faz projetar, retroativamente, os efeitos da norma integradora mais benéfica, registrando-se a abolitio criminis em relação a fatos anteriores à sua vigência relacionados ao comércio de referida substância, pois, em tal ocorrendo, restará descaracterizada a própria estrutura normativa do tipo penal em razão, precisamente, do desaparecimento da elementar típica "substância entorpecente ou que determina dependência física ou psíquica"".

Assim, concluiu que a decisão contestada "não observou, quanto aos frascos de 'lança perfume', os critérios que a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, apoiada em expressivo magistério doutrinário, firmou no tema ora em análise". Dessa forma, julgou extinta a punibilidade do paciente em relação ao delito de tráfico de entorpecentes, mantendo a condenação por corrpução ativa.

Processo relacionado: HC 120.026

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 11 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
06:04
Fotogaleria
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)