Cassilândia, Segunda-feira, 27 de Março de 2017

Últimas Notícias

28/07/2015 16:00

Turma nega ao Incra autorização para realizar nova vistoria em imóvel rural

TRF 1ª Região

 

A 3ª Turma do TRF da 1ª Região determinou ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), ora apelante, que se abstenha de realizar vistoria e avaliação do imóvel denominado Fazenda Sacipan I, no município de Araguaçu (TO), para fins de reforma agrária, de modo que se possa averiguar a atual condição de produtividade da propriedade. A decisão foi tomada após a análise de recurso movido pela autarquia contra sentença de primeiro grau.

O recorrente sustenta que não existe afronta à decisão judicial que declarou a produtividade, uma vez que esta situação é passível de modificação no tempo que é impossível ao Incra comprovar a modificação de fato do imóvel sem realizar a vistoria para levantamento de dados e informações.

“O Poder Judiciário estabeleceu uma condição impossível, frustrando direito fundamental previsto pela Constituição Federal, já que a modificação no estado do imóvel só pode ser aferida com a realização da vistoria, e o reconhecimento da produtividade se limitou ao período em que o referido imóvel foi vistoriado nos dias 26 a 30 de agosto de 2003”, ponderou o Incra.

A autarquia também defendeu que deve ser rechaçada a aplicação do artigo 471, I, do Código de Processo Civil (CPC), “uma vez que não se trata de relação jurídica continuativa, não tendo o Incra qualquer pretensão de modificar o ocorrido entre 26 e 30 de agosto de 2003, época em que o imóvel foi considerado produtivo”. Por fim, argumentou que “inexistem vícios no processo administrativo, já que houve a comunição prévia da proprietária e que tal comunicação atingiu seus objetivos, não havendo razão para anular o ato”.

Decisão

Ao analisar o caso, o relator, desembargador federal Ney Bello, entendeu que o Incra não poderia ter instaurado, em 03/08/2006, o novo processo administrativo visando à desapropriação do imóvel da requerente antes da data do trânsito em julgado da referida sentença, sob pena de desrespeito à decisão judicial proferida pelo Juízo de primeiro grau.

“A existência de ação declaratória com decisão transitada em julgado, na qual foi reconhecida a produtividade do imóvel, impede a realização de nova vistoria no bem, através de procedimento administrativo, instaurado antes do trânsito em julgado da ação que reconheceu a produtividade do imóvel, com a finalidade de se verificar o cumprimento da função social da propriedade”, afirmou o magistrado em seu voto.

A decisão foi unânime.

Processo nº 0004078-87.2011.4.01.4300/TO
Data do Julgamento: 07/07/2015
Data de publicação: 17/07/2015

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 27 de Março de 2017
Domingo, 26 de Março de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)