Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

05/02/2004 09:45

TST nega FGTS sobre honorários de advogado

TST

Os honorários de sucumbência (pagos pela parte perdedora da ação judicial) não integram o salário ou a remuneração e não podem, portanto, ser considerados para efeitos trabalhistas ou previdenciários. Com base nessa definição, prevista no artigo 14 do regulamento geral do estatuto da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que regulamenta a Lei n.º 8.906/94, a Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou (negou provimento) recurso apresentado por um advogado-empregado do Banorte S.A., que pedia o recolhimento de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) sobre honoráríos que recebera por atuações em processos do banco.

A Quarta Turma acompanhou por unanimidade voto do relator do recurso, ministro Milton de Moura França. Confirmou, dessa forma, decisão do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (2ª Região) que deu razão ao Banorte e julgou “improcedente” o recolhimento do FGTS sobre os honorários do advogado-empregado, que havia sido sentenciado pela primeira instância. O advogado-empregado do banco alegara que os honorários de sucumbência por ele recebidos tinham natureza salarial. Diante dessa interpretação pediu – e ganhou na Vara do Trabalho – depósitos do FGTS e suas correções sobre aquelas verbas honorárias.

Ao analisar o pedido de revisão da decisão do TRT-SP, apresentado pelo advogado-empregado ao TST, o ministro Moura França baseou-se no regulamento geral do Estatuto da Advocacia, que dispõe que “honorários de sucumbência, por decorrerem precipuamente do exercício da advocacia, e só acidentalmente da relação de emprego, não integram o salário ou a remuneração, não podendo assim ser considerados para efeitos trabalhistas ou previdenciários”.

Em seu voto, o ministro relator sustentou que a decisão do TRT de afastar a natureza salarial dos honorários foi correta, tendo em vista que eles foram pagos por força do princípio da sucumbência (pela parte contrária ao banco e que perdeu a causa) e “deixando claro, assim, que não houve nenhum ajuste em sentido contrário”.

O ajuste, ou acordo, referido pelo relator pode ser estabelecido entre o empregador e o advogado-empregado. Ele pode prever, por exemplo, a destinação dos honorários à empresa ou ao advogado, conforme o parágrafo único do artigo 21 da lei 8.906 (Estatuto da OAB). Mas, como não houve “ajuste em contrário”, prevaleceu a definição do caput do artigo 21, segundo o qual os honorários são devidos ao advogado: “Nas causas em que for parte o empregador, ou pessoa por este representada, os honorários de sucumbência são devidos aos advogados empregados”.

O pedido de recolhimento do FGTS sobre os honorários só poderia ser considerado procedente se, na hipótese, tivesse havido acordo ou convenção entre as partes. Segundo o ministro Moura França, o artigo 14 do regulamento geral da OAB, “embora afaste a natureza salarial dos honorários, certamente que não veda, desde que expressamente convencionado, que o empregador possa considerá-los para todos os efeitos trabalhistas e previdenciários, identificando-se a norma contratual que assim dispuser, de conteúdo benéfico, e, portanto, legítima e integrativa do contrato de trabalho”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)