Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

29/04/2009 15:48

Trabalho da UEMS é premiado hoje em São Paulo

Maria Alice Campagnoli Otre

Acontece hoje (29/04) a cerimônia de premiação do projeto, em São Paulo. O reitor da UEMS, Gilberto Arruda, receberá certificado da Fundação.

A equipe interdisciplinar, liderada pela Profa. Dra. Léia Teixeira Lacerda Maciel, psicóloga e historiadora, docente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), pelo Prof. MSc. Giovani José da Silva, historiador e antropólogo, docente da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/ Campus de Nova Andradina (UFMS/ CPNA) e pela Profa. Giani Ramona da Silva, administradora de empresas e professora de Matemática, docente vinculada à Rede Pública Estadual de Ensino e ao SESI - Unidade Três Lagoas, será premiada hoje, 29 de abril em São Paulo. Trata-se do Prêmio Péter Muranyi 2009 – Educação e esta é a oitava edição, que tem entre os vencedores, renomados pesquisadores brasileiros.

A Fundação Péter Murányi tem por finalidade principal promover, anualmente, a concessão de prêmio destinado à pessoa física ou jurídica, entidade particular ou pública, de qualquer parte do mundo, que mais tenha se destacado na descoberta ou progresso científico, que beneficie o desenvolvimento e bem estar das populações situadas abaixo do paralelo 20 de latitude norte, especialmente o Brasil, seja no tocante à saúde, alimentação, educação ou desenvolvimento científico e tecnológico. Pelo regulamento do prêmio; pode ainda, como finalidades secundárias, patrocinar outras atividades que contribuam para atingir a finalidade principal, bem como, promover e patrocinar quaisquer outras atividades culturais e assistenciais.

O Projeto vencedor, intitulado, EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E PREVENÇÃO DAS DST/ AIDS EM ESCOLAS INDÍGENAS DO PANTANAL DE MATO GROSSO DO SUL, BRASIL tem visado a realização de oficinas de Educação Preventiva entre jovens e adultos indígenas, moradores do Pantanal de Mato Grosso do Sul. Até o momento os trabalhos ocorreram entre indígenas Terena, da aldeia Limão Verde (Aquidauana), indígenas Kadiwéu, Kinikinau e Terena, da Reserva Indígena Kadiwéu (Porto Murtinho) e indígenas Guató, da aldeia Uberaba (Corumbá), com uma abrangência estimada de 20.000 pessoas afetadas direta e/ ou indiretamente.

Os autores do Projeto coordenaram as oficinas e acompanharam o processo de elaboração do material, tendo como objetivo que o conhecimento a respeito das Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e da AIDS transforme-se em atitudes preventivas, ou seja, que a informação se incorpore à formação dos indígenas, respeitando sempre os conhecimentos tradicionais dessas etnias.

O uso de material escrito que expressa a visão de Educação e Saúde dos indígenas e das relações com as culturas nativas, as aldeias, o território, a região, faz com que os indígenas se reconheçam, pois afinal passam a se referir ao que eles vêem, vivem e sentem cotidianamente, em sua vida privada. Isso significa utilizar as escolas indígenas como espaços de fronteiras onde as trocas acontecem e as tradições do pensamento ocidental que geraram o processo educativo nos moldes escolares e as tradições indígenas, com suas especificidades, formam as múltiplas formas de conhecer e pensar o mundo.

Para grupos humanos que possuem diminuta população e estão frequentemente em contato com as doenças do mundo contemporâneo, projetos dessa natureza são de grande impacto social e responsáveis pela melhoria global da qualidade de vida, podendo ser replicados em outras situações, respeitando-se as peculiaridades de cada comunidade.

A perspectiva de futuro da equipe é de continuar trabalhando com a Educação Preventiva, pois o cenário escolar é um lócus privilegiado para se tratar das questões relacionadas à prevenção das DST/ Aids, bem como da sexualidade (transversalizada por discussões sobre gênero e etnia), para um público de indígenas, homens e mulheres, com idade igual ou superior a 15 anos.

Segundo a Profa. Dra. Léia Teixeira Lacerda Maciel, docente da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), “dada a relevância do tema, a escassez de materiais sobre sexualidade e Educação Preventiva entre indígenas no Brasil e pela experiência já acumulada pela autora e co-autores do Projeto, justifica-se a premiação conferida, além da disponibilidade das comunidades em realizar os encontros, por entender ser importante a informação que garanta a sobrevivência física e cultural das sociedades indígenas”.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)