Cassilândia, Terça-feira, 25 de Abril de 2017

Últimas Notícias

10/09/2012 18:49

Trabalhadores dos Correios decidem sobre greve; empresa ameaça cortar ponto

Fernando César Oliveira, Agência Brasil

Curitiba – Os cerca de 115 mil trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) decidem nos próximos dias sobre a possibilidade de entrarem em greve. Dos 35 sindicatos da categoria, 16 fazem assembleias na noite de hoje (10). Outros sete, amanhã (11).

Embora o calendário de mobilização da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios, Telégrafos e Similares (Fentect) aponte para o início de uma paralisação nacional por tempo indeterminado a partir desta terça-feira, a avaliação da própria entidade é que a maioria das assembleias adie a decisão para dia 18.

\"A Fentect orientou para a greve a partir de amanhã, mas cada sindicato tem sua autonomia\", disse James Magalhães de Azevedo, secretário de Imprensa da Fentect, em entrevista à Agência Brasil. \"A certeza é que todos as assembleias irão recusar a proposta da empresa, mesmo aquelas que eventualmente não aprovem a entrada em greve amanhã.\"

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios do Paraná (Sintcom-PR), Luiz Antonio de Souza, disse à Agência Brasil que, em um balanço preliminar feito na tarde de hoje, a entidade avalia que pelo menos 19 sindicatos devem adiar a decisão sobre a entrada em greve para novas assembleias no próximo dia 18, com o início da greve para o dia seguinte. \"Pela nossa leitura, há certeza apenas de que Minas Gerais e Rio Grande do Sul aprovarão greve hoje à noite.\"

Entre os estados que não devem aprovar a greve esta semana estão São Paulo e Rio de Janeiro, que, juntos, detêm cerca de 40% dos funcionários dos Correios. \"Pesa, claro que pesa [o fato de RJ e SP não apoiarem a greve], mas na contagem são apenas dois sindicatos”, minimiza Azevedo. “A greve tem que ser unificada, senão todo mundo sai perdendo”, avalia Souza. Para a categoria fechar acordo coletivo, é exigida a aprovação de, ao menos, dois terços dos 35 sindicatos.

O comando de negociação da Fentect reivindica 43,7% de reajuste, R$ 200 de aumento linear e piso salarial de R$ 2,5 mil. Quatro sindicatos dissidentes (São Paulo, Rio de Janeiro, Tocantins e Bauru), que se desfiliaram da federação, reivindicam 5,2% de reposição, 5% de aumento real e reajuste linear de R$ 100. O salário-base inicial de carteiros, atendentes comerciais e operadores de triagem e transbordo é R$ 942.

Na última quarta-feira, os Correios elevaram de 3% para 5,2% a sua proposta de reajuste salarial . O mesmo percentual seria aplicado a benefícios como vale-alimentação e auxílio-creche. Pela proposta, o salário-base inicial de carteiros, atendentes comerciais e operadores de triagem e transbordo passaria de R$ 942 para R$ 991.

Em nota, os Correios afirmam que irão efetuar o desconto salarial dos trabalhadores que aderirem à greve. \"Devemos ser responsáveis. O Brasil confia em nós. A proposta da empresa é melhor do que qualquer outra que venha a ocorrer no Tribunal Superior do Trabalho e uma paralisação será prejudicial a todos\", diz a nota. \"Haverá perdas para a ECT, transtornos para a população e prejuízo para o trabalhador, que terá os dias parados descontados do pagamento.\"

A empresa ressalta ainda ter um \"plano de contingência\" com medidas para garantir a prestação de serviços à população em caso de greve. Entre essas medidas, conforme a direção dos Correios, estariam a contratação de trabalhadores temporários, a realocação de empregados das áreas administrativas e a realização de horas extras e de mutirões para triagem e entrega de cartas e encomendas nos finais de semana. \"Os Correios continuam abertos ao diálogo e acreditam que tenham oferecido proposta adequada para fechamento do acordo coletivo\", conclui a nota.

No ano passado, a categoria permaneceu em greve durante 28 dias. Houve desconto salarial de sete dias parados; os demais 21 dias foram compensados aos sábados e domingos. \"Todo ano a empresa faz essa ameaça. Nossa luta é para que não haja [o desconto]\", diz Azevedo. \"Temos o pior salário entre as empresas estatais.\"

Os sindicalistas ouvidos pela Agência Brasil reclamam que a empresa, ao propor uma \"adequação\" do plano de saúde às normas da Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS), estaria tentando retirar benefícios, como o direito de incluir pais e mães no plano. \"Esta é uma grande conquista obtida pela nossa categoria no passado, da qual não abrimos mão\", diz o dirigente da Fentect.

Edição: Fábio Massalli

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 25 de Abril de 2017
Segunda, 24 de Abril de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 23 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)