Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

20/07/2013 07:58

TJ determina convocação de aprovada em concurso público

TJMS

Por maioria, os desembargadores do Órgão Especial concederam a ordem do mandado de segurança ajuizado por R.K.C. contra ato do governador do Estado.

R.K.C. argumenta que foi aprovada em concurso público de provas e títulos para ingresso no quadro permanente de pessoal do Poder Executivo, especificamente no cargo de especialista em serviço de saúde, na função de enfermeira.

Narra que no dia 7 de março de 2013, mais de ano e dia de sua aprovação no certame, foi publicado no DOE o Decreto "P" nº 836, dando publicidade à sua nomeação aos quadros da administração pública, contudo, em razão do lapso temporal entre aprovação e nomeação, acabou não cumprindo o prazo estabelecido para tomar posse.

Esclareceu a impetrante que a autoridade coatora fez publicar o Decreto "P" nº 1.467, de 10 de abril de 2013, tornando sem efeito sua nomeação, por infração ao art. 22 da Lei Estadual nº 1.102/90, e sustenta que o ato que tornou sem efeito a nomeação é ilegal por ofender os princípios da publicidade e da razoabilidade, vez que não teria o menor sentido consultar diariamente o Diário Oficial do Estado para tomar ciência da aludida nomeação e convocação para posse.

Ao final, requereu a concessão de liminar para determinar que a autoridade não faça nova nomeação, preterindo seu direito em face da ordem de classificação. Pediu também a invalidação do ato administrativo que tornou sem efeito sua nomeação e, por consequência, determinar a reabertura do prazo para sua posse. Por último, pede a confirmação da liminar.

Foi indeferido pedido de liminar em razão da impossibilidade de ocorrência de lesão grave ou de difícil reparação, embora relevante o fundamento da demanda. Em parecer, a Procuradoria-Geral de Justiça opinou pela concessão da segurança.

O Estado de Mato Grosso do Sul prestou informações e defesa alegando que transcorreu pouquíssimo tempo entre a divulgação do resultado do certame e a efetiva nomeação da impetrante no Diário Oficial do Estado.

Sustentou ainda ser razoável exigir do candidato que cuide, por alguns meses, as publicações referentes ao concurso que houver prestado. Ademais, a administração pública apenas obedeceu ao que dispunha o edital do certame, não havendo o que se discutir em relação ao ato que tornou sem efeito a nomeação da impetrante, visto que se deu nos limites legais expressos.

No entendimento do Des. Luiz Tadeu Barbosa Silva, relator do processo, é incontroverso que a nomeação de R.K.C. foi publicada apenas do Diário Oficial do Estado. Porém, entre a homologação do resultado do concurso e a nomeação e posse transcorreu mais de ano.

“Este contexto tem por violado o princípio da razoabilidade, quando se verifica considerável lapso temporal entre a homologação final do certame e a publicação da nomeação do candidato, via Diário Oficial. É inviável exigir do cidadão comum que acompanhe diariamente as publicações no D.O. e por longo tempo”, disse em seu voto o relator.

Citando precedentes do Superior Tribunal de Justiça (STJ), o Des. Luiz Tadeu concluiu: “Com o parecer, estou concedendo a ordem na forma pretendida, determinando que a autoridade coatora convoque a impetrante pessoalmente para nomeação, inspeção médica e posse nos termos do edital”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)