Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/12/2008 18:20

Sul-africano que morreu no Rio tinha febre maculosa

Alana Gandra , Agência Brasil

Rio de Janeiro - Exames finalizados ontem (6) à noite e confirmados hoje (7) por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, concluíram que a morte do empresário sul-africano William Charles, de 53 anos, registrada no último dia 2, na Clínica São José, no Rio de Janeiro, foi causada por febre maculosa.

Segundo o chefe do Departamento de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério, Eduardo Hage, todas as outras causas investigadas, entre as quais a infecção por arenavírus, que é um vírus comum na África e transmitido por fezes e urina de roedores ou pacientes infectados, foram descartadas.

“A investigação realizada durante toda a semana por equipes do Ministério da Saúde, Secretarias Municipal e Estadual de Saúde e Fiocruz concluiu, incluindo os resultados laboratoriais, que se trata de infecção por febre maculosa”, afirmou.

Hage enfatizou que, como a febre maculosa é transmitida somente por meio da picada de carrapato, “não há nenhum risco de transmissão de uma pessoa para outra e, portanto, não há risco de disseminação para a população”.

Ele indicou também que, pela data de chegada do engenheiro ao Brasil, no último dia 23 de novembro, e o período em que registrou os primeiros sintomas, no dia 25, “está caracterizado que a infecção iniciou no seu país de origem”, na África do Sul.

O vice-presidente da Fiocruz, Ary Miranda, concordou com essa tese, em função do período de incubação. “Ele contraiu na África do Sul porque existe um período de incubação, que é o período entre a pessoa entrar em contato com a bactéria e manifestar os sintomas. Ele chegou aqui no dia 23 e menos de dois dias depois estava fazendo sintomas. O período de incubação é, em média, de sete dias. Então, não deu tempo dele ter adquirido a bactéria aqui e ter feito os sintomas no Brasil. Com certeza, ele veio da África do Sul já portando a bactéria”, explicou.

O seqüenciamento do genoma da bactéria, que confirmará que sua procedência é mesmo sul-africana, deve ser concluído esta semana, informou a chefe do Laboratório de Hantavirose e Rickettioses da Fiocruz, Elba Lemos.

Os exames que comprovaram a febre maculosa foram realizados a partir do último dia 1º, ainda durante a internação do paciente na Clínica São José, através da coleta de amostras de sangue, e também após seu óbito, por meio de amostras das vísceras, segundo Hage.

O monitoramento feito pelo Ministério da Saúde das 25 pessoas que tiveram contato efetivo com o empresário sul-africano, ficando expostas a fluidos e secreções corporais, em função da possibilidade de ter havido infecção por arenavírus, está suspenso a partir de hoje. As pessoas sob investigação serão informadas sobre o diagnóstico ainda hoje, o que as liberará do confinamento.

Os sintomas de uma infecção por febre maculosa se confundem com sintomas iniciais de várias doenças, como a dengue, por exemplo. São febre alta, dores no corpo, dor de cabeça, vômitos e manchas no corpo. No período de incubação, não se tem, como para a maioria das doenças infecciosas, a detecção através dos testes sorológicos ou mesmo de biologia molecular.

Essa característica, de acordo com a médica infectologista da Fiocruz Elba Lemos, aumenta a importância de que seja feito um diagnóstico clínico abrangente e a retrospectiva da rotina do paciente, que admita todas as doenças febris possíveis e busque informações junto ao próprio paciente, a fim de iniciar o tratamento com antibióticos a tempo de garantir a vida dele.

No caso do empresário sul-africano, esse tratamento foi iniciado quando seu quadro apresentou maior gravidade e a bactéria já havia se infiltrado nos vasos sanguíneos, vindo a provocar sua morte.

O vice-presidente da Fiocruz, Ary Miranda, tranqüilizou a população com o resultado dos exames divulgado hoje. “A mensagem fundamental é tranqüilizadora. Nós confirmamos hoje pela manhã o diagnóstico. É uma doença transmitida por carrapato. É uma rickettsiose. Não tem nenhuma possibilidade de ser transmitida de pessoa a pessoa, o que deixa a população absolutamente tranqüila com relação a isso.”

A febre maculosa não é uma doença específica das Américas ou do Brasil, ocorre em todo o mundo. De 1997 a 2008, foram notificados, no Brasil, 641casos, principalmente nos estados de Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Somente em Santa Catarina não há registro de mortes por essa doença. A taxa de letalidade é, em média, de 30%.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)