Cassilândia, Sábado, 26 de Maio de 2018

Últimas Notícias

07/12/2008 18:20

Sul-africano que morreu no Rio tinha febre maculosa

Alana Gandra , Agência Brasil

Rio de Janeiro - Exames finalizados ontem (6) à noite e confirmados hoje (7) por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), do Ministério da Saúde, concluíram que a morte do empresário sul-africano William Charles, de 53 anos, registrada no último dia 2, na Clínica São José, no Rio de Janeiro, foi causada por febre maculosa.

Segundo o chefe do Departamento de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério, Eduardo Hage, todas as outras causas investigadas, entre as quais a infecção por arenavírus, que é um vírus comum na África e transmitido por fezes e urina de roedores ou pacientes infectados, foram descartadas.

“A investigação realizada durante toda a semana por equipes do Ministério da Saúde, Secretarias Municipal e Estadual de Saúde e Fiocruz concluiu, incluindo os resultados laboratoriais, que se trata de infecção por febre maculosa”, afirmou.

Hage enfatizou que, como a febre maculosa é transmitida somente por meio da picada de carrapato, “não há nenhum risco de transmissão de uma pessoa para outra e, portanto, não há risco de disseminação para a população”.

Ele indicou também que, pela data de chegada do engenheiro ao Brasil, no último dia 23 de novembro, e o período em que registrou os primeiros sintomas, no dia 25, “está caracterizado que a infecção iniciou no seu país de origem”, na África do Sul.

O vice-presidente da Fiocruz, Ary Miranda, concordou com essa tese, em função do período de incubação. “Ele contraiu na África do Sul porque existe um período de incubação, que é o período entre a pessoa entrar em contato com a bactéria e manifestar os sintomas. Ele chegou aqui no dia 23 e menos de dois dias depois estava fazendo sintomas. O período de incubação é, em média, de sete dias. Então, não deu tempo dele ter adquirido a bactéria aqui e ter feito os sintomas no Brasil. Com certeza, ele veio da África do Sul já portando a bactéria”, explicou.

O seqüenciamento do genoma da bactéria, que confirmará que sua procedência é mesmo sul-africana, deve ser concluído esta semana, informou a chefe do Laboratório de Hantavirose e Rickettioses da Fiocruz, Elba Lemos.

Os exames que comprovaram a febre maculosa foram realizados a partir do último dia 1º, ainda durante a internação do paciente na Clínica São José, através da coleta de amostras de sangue, e também após seu óbito, por meio de amostras das vísceras, segundo Hage.

O monitoramento feito pelo Ministério da Saúde das 25 pessoas que tiveram contato efetivo com o empresário sul-africano, ficando expostas a fluidos e secreções corporais, em função da possibilidade de ter havido infecção por arenavírus, está suspenso a partir de hoje. As pessoas sob investigação serão informadas sobre o diagnóstico ainda hoje, o que as liberará do confinamento.

Os sintomas de uma infecção por febre maculosa se confundem com sintomas iniciais de várias doenças, como a dengue, por exemplo. São febre alta, dores no corpo, dor de cabeça, vômitos e manchas no corpo. No período de incubação, não se tem, como para a maioria das doenças infecciosas, a detecção através dos testes sorológicos ou mesmo de biologia molecular.

Essa característica, de acordo com a médica infectologista da Fiocruz Elba Lemos, aumenta a importância de que seja feito um diagnóstico clínico abrangente e a retrospectiva da rotina do paciente, que admita todas as doenças febris possíveis e busque informações junto ao próprio paciente, a fim de iniciar o tratamento com antibióticos a tempo de garantir a vida dele.

No caso do empresário sul-africano, esse tratamento foi iniciado quando seu quadro apresentou maior gravidade e a bactéria já havia se infiltrado nos vasos sanguíneos, vindo a provocar sua morte.

O vice-presidente da Fiocruz, Ary Miranda, tranqüilizou a população com o resultado dos exames divulgado hoje. “A mensagem fundamental é tranqüilizadora. Nós confirmamos hoje pela manhã o diagnóstico. É uma doença transmitida por carrapato. É uma rickettsiose. Não tem nenhuma possibilidade de ser transmitida de pessoa a pessoa, o que deixa a população absolutamente tranqüila com relação a isso.”

A febre maculosa não é uma doença específica das Américas ou do Brasil, ocorre em todo o mundo. De 1997 a 2008, foram notificados, no Brasil, 641casos, principalmente nos estados de Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Somente em Santa Catarina não há registro de mortes por essa doença. A taxa de letalidade é, em média, de 30%.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)