Cassilândia, Segunda-feira, 24 de Abril de 2017

Últimas Notícias

09/01/2007 20:21

STJ nega pedido em ação que discute cobrança de tarifa

STJ

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, negou seguimento ao pedido da Castrol Brasil Ltda em processo que discute a cobrança de tarifa progressiva para o fornecimento de água no Estado do Rio de Janeiro. A empresa tentou suspender a decisão do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro que confirmou a legalidade da cobrança da tarifa progressiva, até o julgamento final da questão pelo STJ.

A Castrol Brasil Ltda entrou com uma ação judicial para obter a declaração de ilegalidade da cobrança de tarifa progressiva pelo fornecimento de água pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), do Rio de Janeiro. A empresa também requereu repetição de indébito [devolução de pagamento indevido].

O pedido foi negado pelo Juízo de primeiro grau e pelo Tribunal de Justiça local (TJ/RJ). O Tribunal entendeu ser legal a cobrança da tarifa progressiva ou diferenciada no fornecimento de água, segundo a Lei Federal nº 8.987/95 e o Decreto Estadual 23.676/97. A decisão também aplicou a súmula 82 do próprio TJ/RJ.

Diante do julgamento desfavorável, a empresa entrou com um recurso especial, que não foi admitido pelo TJ/RJ e, por isso, não pôde subir para a apreciação do STJ. Tentando forçar a subida do recurso, a defesa da Castrol Brasil Ltda encaminhou um agravo de instrumento [tipo de recurso judicial] que aguarda decisão do Superior Tribunal.

A defesa da empresa também entrou com uma medida cautelar no STJ, para tentar suspender a decisão do TJ/RJ até o julgamento do agravo que pode ou não autorizar a subida do recurso especial. O pedido teve seguimento negado pelo presidente do STJ.

O ministro Barros Monteiro destacou o entendimento firmado pelo Superior Tribunal de Justiça no sentido de que, “só em casos excepcionalíssimos, restritamente considerados, é possível conferir-se efeito suspensivo a recurso que normalmente não o tem”.

Segundo o ministro, “não é este o caso dos autos”, pois a empresa informa, no processo, que o recurso especial não foi admitido em decisão do TJ/RJ. “Dessarte, não há como conceder-se efeito suspensivo a recurso que obteve juízo negativo de admissibilidade, restando evidente nesse ponto a falta de plausibilidade jurídica”.

O ministro Barros Monteiro negou seguimento ao pedido com base no artigo 38 da Lei nº 8.038/90 com o artigo 34, inciso XVIII, do Regimento Interno do STJ.


Autor(a):Elaine Rocha

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 24 de Abril de 2017
Domingo, 23 de Abril de 2017
09:00
Maternidade
Sábado, 22 de Abril de 2017
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)