Cassilândia, Terça-feira, 23 de Maio de 2017

Últimas Notícias

16/05/2017 07:20

STF estende a MS decisão que derruba pedido prévio para processar governador

Campo Grande News

 

O STF (Supremo Tribunal Federal) anunciou nesta segunda-feira, 15, a decisão de derrubar a exigência de licença prévia das assembleias legislativas de Mato Grosso do Sul e do Pará para eventual abertura de ações penais contra seus governadores.

No dia 4 deste mês os ministros do Supremo já haviam decidido que as normas das constituições do Acre, de Mato Grosso e do Piauí eram inconstitucionais por condicionarem a abertura de ação penal no STJ a decisões políticas das respectivas assembleias legislativas, geralmente, alinhadas politicamente com o governador, e hoje a deliberação foi sobre Mato Grosso do Sul e Pará.

Em nota, o STF diz que o ministro Edson Fachin julgou procedentes as Ações Diretas de Inconstitucionalidade, ADIs 4781 e 4790, ajuizadas pelo Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), e tornou sem efeito normas das Constituições dos Estados de Mato Grosso Sul e do Pará, respectivamente, que preveem a necessidade de autorização das Assembleias Legislativas para que o Superior Tribunal de Justiça instaure ação penal contra governadores nos crimes comuns. 

Segundo a nota, normas presentes nas Constituições de Mato Grosso do Sul e Pará, estabelecendo regras de processo e julgamento de governadores, inclusive as que determinam o afastamento automático do chefe de governo no momento do recebimento da denúncia, também foram declaradas inconstitucionais pelo ministro Fachin, relator das ações.

“O relator observou que a exigência de autorização prévia da Assembleia Legislativa para processamento e julgamento de governador de estado por crime comum perante o STJ traz como consequência o congelamento de qualquer tentativa de apuração judicial das eventuais responsabilizações criminais dos governadores por cometimento de crime comum”, diz a nota do STF.

De acordo com o ministro Fachin, no caso de presidente da República, a exigência de autorização legislativa prévia para que seja processado e julgado decorre de norma expressa da Constituição Federal.

“Entretanto, em relação aos deputados federais e estaduais, a Emenda Constitucional 35/2001 suprimiu essa exigência, devendo o mesmo entendimento de valorização da igualdade e da responsabilização dos representantes do povo ser seguido em relação aos governadores, abandonando-se as exigências prévias que se constituem em privilégios e restrições não autorizados pela Constituição”, afirma o ministro.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 23 de Maio de 2017
Segunda, 22 de Maio de 2017
21:25
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)