Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

23/06/2008 23:14

Seis meses após mudança no orçamento, UEMS se mobiliza

Marta Ferreira - Campo Grande News

Seis meses depois de entrar em vigor uma mudança na legislação que tirou da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) a garantia de receber 3% da receita tributária anual, a comunidade da instituição começa a se mobilizar para tentar reverter a mudança. Com essa alteração, a UEMS perdeu sua autonomia financeira e passou a ter de fazer gestão política para conseguir aprovar recursos no orçamento.

Os cálculos da reitoria apontam que, se continuar recebendo a média mensal que tem sido repassada, a instituição fechará o ano com R$ 70 milhões, bem menos do que o que seria de direito se a legislação anterior estivesse em vigor, cerca de R$ 85 milhões para este ano.

O temor, como afirma o reitor, Gilberto José de Arruda, é que a instituição fique sem recursos para projetos de investimento e tenha os suficiente apenas para bancar salários e o custeio. A folha de pagamento da Universidade hoje é de R$ 3,6 milhões. Em torno de R$ 700 mil são gastos com o custeio.

A instituição, além dos recursos do Estado, tem contado ainda com recursos de organismos que financiam pesquisa, como Fundect (Fundo de Desenvolvimento de Ciência e Tecnologia), estadual, e a Finep (Financiadora de Estudos e Projetos).

O reitor considera um retrocesso o fato de a UEMS ter perdido o recurso vinculado. A mudança foi por meio da lei proposta pelo deputado Antônio Carlos Arroyo, que revogou três parágrafos de outra lei estadual relacionada ao orçamento da UEMS.


O que mudou - A lei, aprovada em 2002, previu 2% da receita tributária no orçamento anual do Estado para a Universidade, valor que seria gradativamente aumentado até atingir 3% neste ano. A Lei também assegurava que os valores não seriam inferiores aos dos exercícios anteriores.

A mudança que excluiu essa vinculação foi aprovada no fim do ano, em meio a um pacote de medidas aprovadas pela Assembléia.

O presidente do DCE da UEMS, Cleiton de Oliveira dos Santos, considera que sem o orçamento garantridio as atividades da universidade estão prejudicadas, impossibilitando, por exemplo, a contratação de professores para os dois novos cursos abertos pela a instituição. Os estudantes estão programando manifestações sobre o assunto.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)