Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

13/07/2006 14:23

Ruralistas tentam ampliar pacote de ajuda

Famasul News


Descontentes com os quatro pacotes de socorro anunciados pelo governo desde maio, os ruralistas ainda tentam ampliar os benefícios concedidos ao setor no Congresso Nacional. Quatro emendas à Medida Provisória nº 303, publicada pelo governo em 30 de junho passado, permitem estender ao setor os benefícios previstos no refinanciamento das dívidas de empresas com a Receita Federal, Fazenda Nacional e Previdência Social até dezembro de 2005.

Pelo texto incluído na MP do chamado "Refis 3", produtores poderão rolar por até 11 anos cerca de R$ 18,5 bilhões em dívidas rurais transferidas para o Tesouro Nacional em agosto de 2001. As emendas também permitem a repactuação de débitos vencidos e inscritos na dívida ativa da União. Estão incluídos na medida R$ 5,2 bilhões do programa de securitização e R$ 4,1 bilhões do programa de saneamento de ativos (Pesa) do Banco do Brasil, além de outros débitos vinculados aos bancos do Nordeste (BNB) e da Amazônia (Basa).

A medida é uma reivindicação antiga do setor, nunca contemplada nos sucessivos pacotes do governo desde 2001. "É uma solução de continuidade para uma parte importante das demandas que têm sido apresentadas ao governo desde o ano passado", defende o vice-presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA), Carlos Sperotto.

A iniciativa da bancada ruralista abre caminho para a inclusão de pessoas físicas no "Refis 3", abrange as dívidas rurais e permite o questionamento do total dos débitos. Se aprovado, o novo texto levará ao "recálculo" e ao parcelamento por até 11 anos dos saldos devedores.

O texto original da MP refinancia apenas débitos de pessoas jurídicas por até 130 meses a juros de TJLP, hoje em 7,5% ao ano. Agradam muito aos ruralistas outras duas situações previstas na MP nº 303. Não é necessário dar garantia em bens e inclui o refinanciamento dos encargos das dívidas. Além disso, multas e juros de mora são reduzidos à metade. "Até hoje não houve um tratamento adequado para o setor agrícola. Esta é a terceira ação do governo para refinanciar as dívidas de empresas e nada foi dado ao setor", diz o economista Luciano Carvalho, especialista da CNA no tema. Segundo ele, os débitos do Sistema Financeiro Habitacional (SFH) foram absorvidos pela União e tiveram desconto de até 60%.

Com as emendas, os ruralistas tentam escapar das sanções impostas pela MP nº 2.196, que transferiu os débitos dos bancos federais para o Tesouro. Pela MP, que virou lei, o governo pode incluir os devedores no Cadastro de Inadimplentes (Cadin), o que impede os produtores de contratar empréstimos subsidiados de crédito rural, por exemplo.

No programa de securitização, criado em 1996 para renegociar débitos de até R$ 200 mil, os produtores deviam à época R$ 10,7 bilhões - uma parcela de R$ 2,5 bilhões deve ser paga anualmente em 31 de outubro. Com prazo de sete anos para quitação, a primeira parcela integral da dívida deveria ter sido paga em 2001. Em 1999, os produtores pagaram apenas 10% da dívida total. Em 2000, 15%. No Pesa, os produtores tinham um dívida total de R$ 7,5 bilhões em 2001. A parcela anual do Pesa somam R$ 350 milhões. No programa de revitalização das cooperativas (Recoop), as dívidas transferidas somavam R$ 2 bilhões.



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)