Cassilândia, Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

17/11/2011 15:14

Resolução de 2004 proíbe homossexuais de doarem sangue

Bruna Girotto

A Resolução-RDC/ANVISA nº 153, de 14 de junho de 2004, determina os procedimentos hemoterápicos, incluindo a coleta, o processamento, a testagem, o armazenamento, o transporte, o controle de qualidade e o uso humano de sangue.

Esta norma considera a relação sexual entre homens uma \"situação de risco acrescido\", por isso, torna inabilitado por um ano a doar sangue, \"homens que tiveram relações sexuais com outros homens e/ou as parceiras sexuais destes\" nos últimos 12 meses.

Em 16 de dezembro de 2010, porém, a Resolução RDC n. 57 alterou, em parte, esta questão. O inciso XIX do art. 25 prescreveu que a proibição de doar sangue é de apenas para quem tem \"práticas sexuais que envolvam riscos de contrair infecções transmissíveis pelo sangue\".

A Agência de Notícias da Aids publicou uma matéria sobre o tema em junho deste ano. Leia:

Gays podem doar sangue, mas com restrições, destacam jornais

Segundo reportagem publicada pelo jornal Correio Braziliense nesta quarta-feira, mais um passo na luta contra a discriminação foi ensaiado com a publicação no Diário Oficial da União de portaria do Ministério da Saúde determinando que a orientação sexual não deve ser alvo de preconceito ou discriminação para a doação de sangue. A nova regra, no entanto, esbarra em outra restrição, já prevista na legislação desde 2004: homens que tiveram relação sexual com parceiros do mesmo sexo, ainda que com uso de preservativos, ficam impedidos de doar por um período de 12 meses.

\"Estudos ainda mostram que o risco do homem que fez sexo com homem é 18 vezes maior de ter infecção pelo HIV do que a população que não tem esse tipo de atividade sexual\", disse o Ministro da Saúde, Alexandre Padilha, à Folha de S.Paulo.

Para o professor de hematologia e hemoterapia da USP Dalton Chamone, a mudança é positiva. \"Hoje, o que mais importa é o rigor na avaliação do comportamento de risco e não a orientação sexual do doador\", disse também à Folha.

Em entrevista ao jornal O Globo, o coordenador-geral de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde, Guilherme Genovez, justificou que “é uma posição da classe científica internacional”.

Embora reconheça que o risco entre homossexuais masculinos seja maior, o infectologista Esper Kallas, professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), disse ao jornal O Estado de S.Paulo que é contra essa restrição. \"Seria melhor levar em conta o comportamento de risco como um todo, seja ele entre hetero ou homossexuais. Essa avaliação deve acontecer caso a caso\", afirma.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 18 de Fevereiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)