Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

30/12/2003 08:46

Reforma política deverá reduzir mudanças nas bancadas

Agência Brasil

A reforma política deverá estabelecer normas mais rígidas para os políticos que pretenderem mudar de partido, ao endurecer a legislação que trata da fidelidade partidária. Enquanto a matéria não é aprovada, contudo, a configuração das bancadas continua a mudar ao sabor dos acontecimentos políticos.

Neste primeiro ano de legislatura, a migração entre as diferentes legendas começou antes mesmo da posse dos novos parlamentares. Entre a eleição e a posse, 50 deputados mudaram de sigla.
Em relação ao tamanho com que saíram das urnas, houve partidos que incharam, como o Partido Social Cristão, que de um eleito passou para sete deputados. Outros encolheram, a exemplo do Partido da Mobilização Nacional, que perdeu seus dois eleitos e não é mais representado na Câmara dos Deputados. E ainda outros que permanecem com a mesma dimensão, como o próprio PT. Mas nenhum deles deixou de sofrer migrações ao longo do ano.

As bancadas apresentaram três fotografias distintas em 2003: a composição antes da posse; a que iniciou a legislatura; e a atual, depois de passado o prazo de filiação para as eleições municipais do próximo ano. Nesses três momentos, os partidos configuraram-se nas seguintes posições, em relação ao número de deputados: PT - 91/90/90; PFL - 76/75/68; PMDB - 70/69/77;
PSDB - 63/63/50; PPB (atual PP) - 43/43/49; PTB - 41/41/52; PL - 34/33/43; PSB - 28/28/20; PPS - 21/21/21; PDT - 18/17/13; PCdoB - 12/12/10; Prona - 6/6/2; PV - 6/6/6; PMN - 2/2/0; PSL - 1/1/1; e PSC - 1/1/7

Ondas de mudança

A primeira onda de mudanças partidárias, entre a eleição e a posse dos parlamentares, é explicada pelo resultado do pleito majoritário. Muitos deputados procuram realinhar-se à nova correlação de forças políticas, tendo como centro de gravidade os campos do Governo e da Oposição. Esse processo explica, por exemplo, o crescimento das legendas da base aliada nesse primeiro ano de alta popularidade do novo presidente da República.

Já a segunda onda de migrações justifica-se pelo vencimento do prazo de filiação para as eleições municipais do próximo ano. Na esteira dos acordos regionais, os parlamentares que são candidatos tratam de fazer a opção partidária mais viável à disputa. Nesse caso, a troca de partido responde mais a interesses paroquiais do que a alinhamentos ideológicos.

O resultado do pleito municipal também deverá influir na composição das bancadas. Trata-se de uma influência indireta, mais ligada ao cenário que começará a se delinear para as eleições de 2006 - quando voltarão a estar em jogo os mandatos parlamentares.

O cientista político André Marenco afirma que as “migrações” acontecem com mais freqüência no primeiro e no terceiro ano da legislatura; e entre parlamentares que não exercem lideranças. Marenco explica ainda que o desempenho do Poder Executivo também interfere na "troca de cadeiras": se o Governo Federal estiver com alto índice de aprovação, é comum que parlamentares mudem para o partido do Governo, ou o contrário.

Grupos dissidentes

Recentemente, o PT expulsou os deputados Babá (PA), Luciana Genro (RS) e João Fontes (SE). O episódio deverá provocar nova alteração na composição das bancadas, com a criação de um novo partido reunindo as alas mais à esquerda da Câmara.

Os movimentos de dissidência interna não são exclusividade do PT, onde também atua o chamado "Grupo dos 30", integrado por parlamentares contrários a determinadas ações do Governo. Todas as bancadas, em maior ou menor grau, apresentam dissidências.

O PMDB, a mais recente aquisição da base governista, tem diversas correntes internas. O PDT está fora da base, mas tem um ministro no Governo. E nos maiores partidos da Oposição - PSDB e PFL -, as diversas posições são definidas de acordo com o tema em votação.

As informações são da Agência Câmara

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)