Cassilândia, Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

30/12/2003 08:46

Reforma política deverá reduzir mudanças nas bancadas

Agência Brasil

A reforma política deverá estabelecer normas mais rígidas para os políticos que pretenderem mudar de partido, ao endurecer a legislação que trata da fidelidade partidária. Enquanto a matéria não é aprovada, contudo, a configuração das bancadas continua a mudar ao sabor dos acontecimentos políticos.

Neste primeiro ano de legislatura, a migração entre as diferentes legendas começou antes mesmo da posse dos novos parlamentares. Entre a eleição e a posse, 50 deputados mudaram de sigla.
Em relação ao tamanho com que saíram das urnas, houve partidos que incharam, como o Partido Social Cristão, que de um eleito passou para sete deputados. Outros encolheram, a exemplo do Partido da Mobilização Nacional, que perdeu seus dois eleitos e não é mais representado na Câmara dos Deputados. E ainda outros que permanecem com a mesma dimensão, como o próprio PT. Mas nenhum deles deixou de sofrer migrações ao longo do ano.

As bancadas apresentaram três fotografias distintas em 2003: a composição antes da posse; a que iniciou a legislatura; e a atual, depois de passado o prazo de filiação para as eleições municipais do próximo ano. Nesses três momentos, os partidos configuraram-se nas seguintes posições, em relação ao número de deputados: PT - 91/90/90; PFL - 76/75/68; PMDB - 70/69/77;
PSDB - 63/63/50; PPB (atual PP) - 43/43/49; PTB - 41/41/52; PL - 34/33/43; PSB - 28/28/20; PPS - 21/21/21; PDT - 18/17/13; PCdoB - 12/12/10; Prona - 6/6/2; PV - 6/6/6; PMN - 2/2/0; PSL - 1/1/1; e PSC - 1/1/7

Ondas de mudança

A primeira onda de mudanças partidárias, entre a eleição e a posse dos parlamentares, é explicada pelo resultado do pleito majoritário. Muitos deputados procuram realinhar-se à nova correlação de forças políticas, tendo como centro de gravidade os campos do Governo e da Oposição. Esse processo explica, por exemplo, o crescimento das legendas da base aliada nesse primeiro ano de alta popularidade do novo presidente da República.

Já a segunda onda de migrações justifica-se pelo vencimento do prazo de filiação para as eleições municipais do próximo ano. Na esteira dos acordos regionais, os parlamentares que são candidatos tratam de fazer a opção partidária mais viável à disputa. Nesse caso, a troca de partido responde mais a interesses paroquiais do que a alinhamentos ideológicos.

O resultado do pleito municipal também deverá influir na composição das bancadas. Trata-se de uma influência indireta, mais ligada ao cenário que começará a se delinear para as eleições de 2006 - quando voltarão a estar em jogo os mandatos parlamentares.

O cientista político André Marenco afirma que as “migrações” acontecem com mais freqüência no primeiro e no terceiro ano da legislatura; e entre parlamentares que não exercem lideranças. Marenco explica ainda que o desempenho do Poder Executivo também interfere na "troca de cadeiras": se o Governo Federal estiver com alto índice de aprovação, é comum que parlamentares mudem para o partido do Governo, ou o contrário.

Grupos dissidentes

Recentemente, o PT expulsou os deputados Babá (PA), Luciana Genro (RS) e João Fontes (SE). O episódio deverá provocar nova alteração na composição das bancadas, com a criação de um novo partido reunindo as alas mais à esquerda da Câmara.

Os movimentos de dissidência interna não são exclusividade do PT, onde também atua o chamado "Grupo dos 30", integrado por parlamentares contrários a determinadas ações do Governo. Todas as bancadas, em maior ou menor grau, apresentam dissidências.

O PMDB, a mais recente aquisição da base governista, tem diversas correntes internas. O PDT está fora da base, mas tem um ministro no Governo. E nos maiores partidos da Oposição - PSDB e PFL -, as diversas posições são definidas de acordo com o tema em votação.

As informações são da Agência Câmara

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 18 de Fevereiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)