Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

19/04/2006 14:02

Reforma eleitoral é branda em penalidades, afirma Rocha

Cecília Jorge/ABr

A minirreforma eleitoral aprovada pelo Senado Federal ontem (18) é branda quanto às penalidades aplicadas aos candidatos que fizerem gastos além do permitido pela nova lei. A avaliação é do corregedor-geral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Cesar Asfor Rocha.

"A alteração não foi assim tão substancial no sentido de impor maiores penas, ou penas mais fortes ao candidato que ultrapassa o gasto de campanha", afirmou Asfor Rocha, em entrevista à Rádio Nacional AM.

O corregedor-geral também considera negativa a responsabilização apenas do candidato em caso de irregularidades na prestação de contas. Segundo ele, a legislação anterior que responsabilizava também o tesoureiro da campanha estimulava que os partidos tivessem mais preocupação com os gastos de campanha.

Na avaliação de Asfor Rocha, a prestação de contas que passará a ser feita em três etapas dará mais transparência às eleições. Os candidatos terão que declarar os valores e as fontes dos recursos recebidos, na internet, em agosto, em setembro e ao final do pleito. Pela legislação vigente, os candidatos devem prestar contas só depois de encerrado o pleito eleitoral.

"Seria bom, evidentemente, que essa colocação fosse feita de uma forma diária. Mas é razoável a explicação de que a colocação diária devia trazer transtornos e até mesmo aumentar os gastos dos partidos", disse o corregedor-geral do TSE.

Para ele, a prestação de contas em três momentos já é suficiente para um melhor acompanhamento das despesas de campanha por toda a sociedade, em especial, pela Justiça Federal e pelo Ministério Público.

O TSE avaliará se as novas regras, que prevêem redução nos gastos de campanha e exigem a prestação de contas também durante o processo eleitoral, poderão ser aplicadas ainda este ano. Como participará deste julgamento, o ministro não quis comentar essa questão.

Pela legislação eleitoral, para que valesse para as eleições de outubro a regra deveria ter sido aprovada até 30 de setembro de 2005. O projeto de lei aprovado ontem pelos senadores ainda será sancionado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)