Cassilândia, Quarta-feira, 22 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

02/05/2008 08:36

Redução da Cide impedirá reajuste de gasolina nas bombas

Ivanir José Bortot e Wellton Máximo /ABr

Brasília - O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, assegurou ontem (1º) que a redução da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para a gasolina impedirá que o combustível aumente nas bombas. Em entrevista à Agência Brasil, Barbosa explicou que a desoneração é suficiente para compensar o reajuste de 10% nas refinarias, anunciado anteontem (30).

Segundo Barbosa, não há necessidade de repasse do aumento para o consumidor porque o preço final com o qual a Petrobras entrega a gasolina às refinarias não sofrerá mudanças com a inclusão da Cide.

Atualmente, o litro da gasolina fornecida pela Petrobras chega às refinarias a R$ 1, acrescido de R$ 0,28 da Cide. Com o reajuste, que passa a valer a partir de 0h de hoje (2), a gasolina passará a ser entregue a R$ 1,10. Com a queda da Cide de R$ 0,28 para R$ 0,18, o litro do combustível permanecerá a R$ 1,28 nas refinarias.

De acordo com o secretário, a cotação nas refinarias serve de base de cálculo para os demais tributos cobrados dos combustíveis, como a Contribuição sobre o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e o Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS). Com isso, não haverá necessidade de reajuste em cascata por causa de impactos em outros impostos.

Barbosa confirmou, ainda, que o reajuste final do diesel será de 8,8% para o consumidor. O combustível aumentou 15% nas refinarias. Apesar de mais caro nas bombas, o diesel terá efeito mínimo sobre a inflação, na avaliação do secretário. Anteontem (30), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, estimou esse impacto ficará em 0,015 ponto percentual.

Em relação ao óleo usado na agricultura e na indústria, Barbosa disse que o governo ainda não tem estimativa de impacto sobre a inflação. Como esse tipo de óleo é usado durante o processo produtivo, o aumento não atinge diretamente o consumidor final e não pode ser medido pelo IPCA. O reajuste desses combustíveis, explicou o secretário, é medido pelo Índice de Preços por Atacado (IPA), calculado pela Fundação Getulio Vargas.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 21 de Novembro de 2017
Segunda, 20 de Novembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)