Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

31/05/2005 15:03

Protestos de fazendeiros em todas as regiões de MS

Graciliano Rocha e Maristela Brunetto / Campo Grande News

Neste dia 31 de maio, tratores e colheitadeiras deixaram as fazendas para ganhar as ruas e bloquear rodovias em diversos pontos de Mato Grosso do Sul. Em todas as regiões do Estado, os sindicatos rurais se tornaram o centro nervoso de uma onda de protestos que acompanha a mobilização nacional.

O objetivo dos produtores, que conseguiram simultaneamente fazer barulho em tantos lugares, é dar uma demonstração de força em todo o País para levar o governo a aprovar um novo socorro financeiro. Alegando perdas com a estiagem, depressão nos preços das principais commodities (boi, soja, milho) e alta nos insumos, as entidades patronais do agronegócio quer uma injeção de valores que oscilam entre R$ 25 e 30 bilhões em todo o País. Pedem dinheiro novo ou renegociação de dívidas.

Em Mato Grosso do Sul, os produtores pedem 10% da conta apresentada nacionalmente. Se o governo ceder, esta será a terceira renegociação de dívidas que os fazendeiros conseguem desde o Plano Real. As outras duas – 1995 e 2001 – envolveram um socorro financeiro de R$ 20 bilhões – dos quais pelo menos R$ 9,8 bilhões ainda não foram devolvidos e foram assumidos pelo contribuinte.

Em Campo Grande, uma comissão de frente de 20 cavaleiros abria alas para a passagem de uma fila de cerca de 500 metros formada por um pequeno trio-elétrico, caminhonetes, veículos de passeio e maquinário agrícola transportado na carroceria de caminhões. O protesto começou no parque de exposições Laucídio Coelho, seguiu pelas principais ruas do centro até a Câmara Municipal, onde estava marcada uma audiência pública para discutir a crise no setor. Segundo a Ciaptran (companhia de trânsito da PM), a atividade envolveu 300 veículos.

Dourados foi o epicentro dos protestos na região sul do Estado. A movimentação começou pela manhã com tratores, colheitadeiras e caminhões tomando a Marcelino Pires (principal avenida que corta a cidade de leste a oeste). Além de produtores de Dourados, a mobilização reuniu ruralistas de outros quatro municípios: Douradina, Itaporã, Laguna Carapã e Caarapó. Alguns políticos expressaram apoio ao protesto. O deputado federal Murilo Zauith (PFL) participou da manifestação na carroceria de um caminhão.

Em Ponta Porã, na fronteira com o Paraguai, os produtores ocuparam as duas margens da BR-463 com caminhões e maquinário agrícola desde as 9h. Em Maracaju, os produtores se concentraram na BR-267 (que dá acesso a Jardim) para fazer panfletagem. À tarde, a organização informou que deveriam percorrer as ruas da cidade. Nos dois casos, não houve interrupção do tráfego nas estradas.

Corumbá, no Pantanal, teve o protesto foi mais light do Estado. Nenhuma manifestação pública foi realizada, à exceção da publicação pelo Sindicato Rural de uma nota nos jornais e rádios da cidade.

Bloqueios de rodovias – Em alguns casos, os ruralistas adotaram a mesma tática que costumam criticar nos seus antagonistas dos movimentos sociais. Os fazendeiros também apelaram para o fechamento de estradas para amplificar o protesto. Em Dourados, eles bloquearam o trevo que liga as BRs 163 e 376. O bloqueio foi parcial.

Em Bandeirantes, na região norte do Estado, a situação é diferente. Cerca de 80 máquinas agrícolas estavam nas margens da rodovia desde a manhã, com os ruralistas distribuindo panfletos sobre o protesto, mas ao meio-dia os produtores decidiram radicalizar e fechar a rodovia. “O tráfego deve ficar interrompido até às 18h. Apenas as ambulâncias terão a passagem liberada”, informou Murilo Serpa, um dos líderes do protesto, que fechou a principal ligação viária entre os Estado de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)