Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

20/10/2005 15:03

Propaganda do referendo termina hoje

Juliana Andrade / ABr

Hoje (20) é o último dia da divulgação da propaganda gratuita obrigatória no rádio e na televisão do referendo sobre a proibição da venda de armas e munição no país, de acordo com o calendário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Desde o dia 1º de outubro, as frentes parlamentares Por um Brasil sem Armas, que defende a proibição, e Pelo Direito da Legítima Defesa, a favor do comércio de armamento, veicularam 1.520 minutos de propaganda, incluindo as inserções durante a programação das emissoras de TV e de rádio.

Foi nos 760 minutos para cada frente - o que dá uma média de 12,7 horas para a defesa do sim à proibição e de 12,7 horas a favor do comércio das armas em cada um dos veículos (rádio e TV) - que o eleitor recebeu informações que o ajudarão a decidir se no próximo domingo vai responder sim ou não à pergunta: "O comércio de armas de fogo e munição deve ser proibido no Brasil?".

"Essa campanha, na realidade, foi esclarecedora para que o eleitor vá para a seção eleitoral sabendo em qual dos dois números (1 para o não e 2 para o sim) ele vai votar", afirmou o secretário de Informática do Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal, Ricardo Negrão, em entrevista à Rádio Nacional AM. "A partir de amanhã, entendemos que o eleitor, se não está convicto se vai votar no 1 ou no 2, pelo menos já está quase convicto", disse.

Uma pesquisa divulgada na sexta-feira passada (14) pelo Ibope mostra que a propaganda não influencia a opinião da maioria dos eleitores. Segundo a pesquisa, 90% dos entrevistados têm acompanhado as campanhas das duas frentes veiculadas no rádio e na TV e 10%, não.

Dos eleitores que acompanham a propaganda, 85% disseram que não mudaram de opinião com a campanha, contra 12% que admitiram ter mudado. Os 3% restantes não opinaram. A pesquisa, feita a pedido da TV Globo, foi realizada entre os dias 11 e 13 de outubro, em 143 municípios e ouviu 2.002 eleitores.

Segundo o Ibope, 49% dos entrevistados são contra a proibição do comércio de armas e munição, 45% são a favar e 6% não sabem ou não opinaram. O resultado mostra empate técnico entre o sim e o não, uma vez que a margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou menos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)