Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

14/09/2008 05:10

Projetos de lei refletem polêmica sobre o uso de algemas

Agência Câmara

O uso de algemas em presos é o tema principal de 13 projetos de lei e de um projeto de decreto legislativo que tramitam hoje na Câmara. A maioria deles está pronta para votação no Plenário porque foi apensada ao PL 2753/00, de autoria do deputado licenciado Alberto Fraga (DEM-DF). As propostas tentam estabelecer os limites entre os direitos individuais do cidadão, garantidos pela Constituição, e a necessidade de o Estado garantir a integridade de terceiros e daqueles que estão sob sua custódia no ato de prisão.

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania já aprovou um substitutivo do deputado Flávio Dino (PCdoB-MA) a cinco projetos sobre o tema (PLs 2753/00, 3287/00, 4537/01, 5494/05, 5858/05). O substitutivo altera a Lei de Execução Penal (7.210/84) e permite o uso de algemas nos casos de resistência à prisão, de tentativa de fuga, de risco à integridade do preso ou de terceiros e de deslocamento do preso para participar de ato judicial compulsório. De acordo com o substitutivo, a algema também poderá ser usada quando o número de presos superar o efetivo de policiais envolvidos no ato da prisão.

"Espetacularização"
Muitos parlamentares argumentam que a Lei de Execução Penal prevê a edição de um decreto presidencial para disciplinar o uso de algemas, o que ainda não foi feito pelo Executivo. A falta de normatização seria a responsável, segundo eles, pelo uso inadequado das algemas e pela "espetacularização" das prisões em algumas ações policiais, como reclamou em público o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes.

A maioria dos projetos relativos ao tema foi apresentada pelos parlamentares neste ano, sobretudo após as prisões efetuadas em megaoperações da Polícia Federal. A ausência de legislação específica sobre o caso levou o Supremo Tribunal Federal (STF) a aprovar a súmula vinculante n° 11, em agosto, restringindo o uso de algemas aos casos de tentativa de resistência e de tentativa de fuga do preso ou de perigo à integridade física do preso e de terceiros. O STF ainda obriga o policial a justificar esses casos excepcionais por escrito, sob pena de responsabilização disciplinar, civil e penal.

A decisão do Supremo é similar ao previsto no PL 3506/08, do deputado Silvinho Peccioli (DEM-SP). Esse projeto estabelece que "em nenhuma hipótese serão empregadas as algemas, se o detido não oferecer resistência ou demonstrar periculosidade". Também preocupado em conter eventuais abusos na prisão, o PL 3746/08, do deputado Waldir Neves (PSDB-MS), impede o uso de algemas em idosos, gestantes e presos em geral que se apresentem voluntariamente e não ofereçam riscos à segurança.

Na mesma linha, o PL 3785/08, do deputado Maurício Quintella Lessa (PR-AL), dispensa a algema quando o réu for primário, tiver bons antecedentes e não resistir à prisão, exceto em casos de flagrante. Já a deputada Rebecca Garcia (PP-AM) apresentou o PL 3889/08 com o objetivo de adequar o teor da súmula vinculante do STF à lei formal e regulamentar definitivamente o uso de algemas no País.

Segurança pública
A regulamentação do uso de algemas, no entanto, ainda está longe do consenso. O deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ) é autor dos PLs 3887/08 e 3888/08, ambos com o propósito de estabelecer como regra geral o uso de algemas na condução de presos. De acordo com o deputado, que é delegado da Polícia Federal, a algema é uma extensão da cela e um instrumento de segurança para o preso, o policial e a sociedade.

Também policial, o deputado Laerte Bessa (PMDB-DF) é autor do PL 3938/08, que altera o Código de Processo Penal (Decreto-Lei 3.689/41) e busca regulamentar o uso de algemas sem ferir a dignidade do preso nem "colocar em risco aqueles que exercem a árdua atividade policial e os que operam junto à justiça criminal".

Já o deputado João Campos (PSDB-GO) quer sustar inteiramente a súmula vinculante n° 11 do STF por meio do PDC 853/08. O deputado afirma que o Judiciário invadiu a competência do Legislativo nessa matéria e criou dificuldades para o combate à criminalidade. Campos reconhece que a decisão do Supremo é fundada nos direitos do cidadão, mas ressalta que, ao mesmo tempo, fragiliza o sistema de segurança pública.



Reportagem - José Carlos Oliveira
Edição - Pierre Triboli


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)