Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

21/08/2015 09:30

Preocupação excessiva com aparência pode causar transtorno psiquiátrico

Portal Educação Física

 

Transtorno dismórfico corporal é caracterizado por um transtorno psiquiátrico quando o dia a dia do doente sofre reflexos negativos devido aos cuidados com a imagem; problema deve ser tratado no início.

Você conhece alguém que não vive sem um espelho, esconde-se dentro de roupas largas por vergonha do próprio corpo e até deixa de sair de casa por achar que o nariz não tem um formato adequado? A chance de essa pessoa estar sofrendo com o transtorno dismórfico corporal (TDC) é grande. A doença se caracteriza por uma distorção da autoimagem e faz com que a pessoa fique reclusa ou busque, a qualquer custo, atingir o ideal de beleza, que geralmente é impossível de se obter. É possível, porém, tratar o problema e recuperar a autoestima.

A atriz e cantora Miley Cyrus declarou, nesta semana, que interpretar a personagem Hannah Montana na adolescência provocou o transtorno dismórfico corporal. A americana declarou que os produtores esperavam que ela se parecesse com outra pessoa, e isso criou uma imagem de que ela não era boa o suficiente.

A psiquiatra Mara Fernandes Maranhão, do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo conta que quem tem TDC sofre. “Essas pessoas evitam a exposição, ficam com vergonha de frequentar lugares públicos, de se relacionar, pois têm a impressão de que os outros vão olhar para aquele ‘defeito’. Também fazem intervenções cirúrgicas desnecessárias”, explica.

Assim como a maioria das doenças psiquiátricas, há um fundo genético que é amplificado pelo ambiente em que a pessoa vive. “É mais comum em famílias onde há parentes de primeiro grau com o mesmo diagnóstico, e também mais comum em famílias que concentram maiores transtornos mentais, sejam quais forem”, explica Mara. “Se a pessoa tem vulnerabilidade a transtornos mentais, eles podem aparecer de diversas formas”.

O padrão de beleza imposto atualmente, por exemplo, causa problemas em quem tem TDC. “É biologicamente impossível para muitas pessoas, apenas uma minoria consegue atingir aquele padrão. E esse padrão não tem a ver com a saúde física, mas com uma conotação de sucesso e poder”, diz a psiquiatra. “É como se a pessoa capaz de corresponder teria, teoricamente, mais força de vontade e poder sobre si e o corpo. Isso acaba tendo um apelo muito grande para as pessoas mais jovens e mais vulneráveis”.

Tratamento

Identificar o problema é o primeiro passo para o tratamento. No começo, quem tem TDC não tem a exata noção de que seu comportamento em relação ao corpo é exagerado. “Muitas vezes é preciso começar um tratamento para ver isso”, diz a médica. Ela ressalta que a pessoa acha que realmente tem um defeito físico, que, muitas vezes, é real, mas ela enxerga de uma forma desproporcional. Com frequência, há defeitos imaginários também. “E ela amplia tanto a ponto daquele defeito imaginário interferir na vida”.

Para ser diagnosticado o transtorno dismórfico corporal, a preocupação com a aparência precisa prejudicar o funcionamento das coisas no dia a dia, influenciar negativamente e ter impacto na vida social ou profissional.

O tratamento, então, é feito com medicamentos e psicoterapia. A psicóloga da Clínica Maia, Myriam Albers, explica que o médico avalia se é preciso entrar com medicações antidepressivas. Depois disso, a psicoterapia virá para somar. “Há um trabalho de autoimagem, já que a autoestima fica muito rebaixada. A pessoa não está bem consigo mesma”, diz Myriam.

Anorexia e bulimia

A adolescência é um momento crucial para o desenvolvimento desses transtornos. “Podemos observar também na infância, por padrões muito rígidos em questões da alimentação, mas é na adolescência que o transtorno começa a aparecer mais”, alerta a psicóloga.

“Os sinais podem ser velados, discretos, pode acontecer uma perda de peso gradual, e a tendência é de a pessoa não exibir mais o corpo, ou porque está emagrecendo demais ou percebe que está engordando. A família e os amigos começam a perceber quando o transtorno está em um grau mais avançado”.

Casos de compulsão alimentar, bulimia e anorexia surgem. Segundo Myriam, alguns traços de personalidade revelam a vulnerabilidade da repulsa ao próprio corpo. “Pessoas mais perfeccionistas, inseguras ou com baixa autoestima acabam ficando mais vulneráveis. Os pais devem perceber isso e mostrar cuidado com a criança, sempre relativizando e acolhendo as preocupações dela, para que entenda que o que pensa é desproporcional e não compatível com a realidade”.

Uma preocupação excessiva com a barriga, por exemplo, pode levar a uma dieta muito restritiva. “A adolescente, então, fica propensa a um descontrole por compulsão e restrição, podendo exagerar na atividade física para deixar a barriga do jeito que imagina”, diz Mara. Quando há um deslize, a depressão vem, levando à compulsão. E o ciclo se repete.

A médica conta que os objetivos de uma pessoa com transtorno dismórfico corporal geralmente são extremos, com padrões muito altos e impossíveis de serem alcançados. O tratamento pode durar de poucos meses até alguns anos. A cura, no entanto, é possível e a pessoa pode aprender a se amar.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)