Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

24/10/2006 07:00

Prazo para recadastramento de armas até 2 de julho

rmtonline

razo para recadastramento de armas termina dia 2 de julho de 2007



O prazo final para o recadastramento das armas de fogo no país termina em 2 de julho de 2007, e não no dia 23 de dezembro próximo. A informação é do Sistema Nacional de Armas (Sinarm) da Polícia Federal (PF).

Segundo a assessoria da PF, há um problema de interpretação da lei. Os portadores de armas estão contando o prazo de três anos a partir da aprovação do Estatuto do Desarmamento, ocorrido em 23 de dezembro de 2003, o que seria um erro. Na verdade, assegura a PF, o estatuto fala de três anos para o recadastramento após a regulamentação da lei (decreto 5.123/04), e esta só foi publicada em julho de 2004.

Após as eleições de 29 de outubro, o governo federal fará uma campanha nacional de divulgação do recadastramento. Em todo o Brasil, de acordo com a PF, existem 15 milhões de armas de fogo, incluindo as das polícias federal, militar e civil. Desse total, 4.348.140 estão nas mãos de civis e registradas no Sinarm, sendo que 500 mil delas já foram recadastradas.

Para o presidente do Movimento Viva Brasil, Bené Barbosa, o aumento do prazo em seis meses “é bem-vindo”, mas isso não impedirá, em sua opinião, que 80% dos portadores das 4,3 milhões de armas legais no país deixem de fazer o recadastramento.

- Quase 3,5 milhões de armas podem cair na ilegalidade. Seus proprietários, embora tenham adquirido legalmente o produto, podem ser presos por porte ilegal, pegando até três anos de reclusão por não terem como fazer o recadastramento - disse Bené.

Ele cita dois pontos que dificultariam o novo registro: a burocracia e o custo. No primeiro caso, o presidente do Viva Brasil reclama que os registros só podem ser feitos nos postos da PF, o que atrapalharia aqueles que moram longe dos grande centros, além do tempo exíguo para os trâmites práticos (exames de aptidão, testes psicotécnico e prático).

Na questão do custo, ele ressalta o "alto valor" da taxa, em média R$ 700 por peça.

- Em muitos casos, esse valor supera o preço da arma. Isso tudo levará um grande contingente de pessoas a preferir a ilegalidade, o que vai gerar um aumento do número de armas ilegais circulando no país - disse.

Nesta segunda-feira, faz um ano do referendo popular em que os brasileiros disseram não à proibição do comércio de armas de fogo e munição. O Movimento Viva Brasil fez campanha pelo "não".



Fonte: Redação TV Morena

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)