Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

10/03/2016 11:05

Portal Terra é proibido de explorar comercialmente Big Brother Brasil

ConJur

O portal de notícias Terra está proibido de explorar comercialmente, direta ou indiretamente, o Big Brother Brasil. A decisão foi tomada por unanimidade pela 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ao manter condenação imposta pela corte de primeiro grau. A ação foi movida pela Globo e pela Endemol, dona dos direitos do programa.

Os desembargadores Agostinho Teixeira De Almeida Filho, relator do caso, Gabriel de Oliveira Zefiro, revisor, e Sirley Abreu Biondi definiram que o portal de notícias deverá “se abster de utilizar de forma abusiva e explorar comercialmente qualquer edição do programa Big Brother Brasil, incluindo a utilização de imagens, marcas, textos, elementos e trechos dos programas Big Brother Brasil, bem como quaisquer outras marcas e elementos sob a exclusiva titularidade das autoras”.

O Terra também deverá pagar indenização por danos materiais. O valor ainda será definido em liquidação de sentença. Apesar da condenação, o direito do Terra de fazer a cobertura jornalística do Big Brother Brasil foi mantido.

Na ação, a Globo e a Endemol, representadas pelos advogados Sergio Zveiter, Flavio Diz Zveiter e Mariana Burity Martins, alegaram que as atividades do Terra ultrapassavam a cobertura jornalística do programa, pois o portal também o explorava comercialmente ao disponibilizar imagens, textos, marcas e elementos exclusivos. Os autores argumentaram que essa prática configura violação ao direito autoral, além de concorrência desleal.

A Globo e a Endemol afirmaram ainda que a página criada pelo Terra especialmente para disponibilizar informações sobre o Big Brother Brasil é similar ao site oficial do programa, produzido pela Globo. Em primeira instância, o juiz Luiz Roberto Ayoub destacou que as provas apresentadas nos autos comprovaram que a prática extrapolou a cobertura jornalística.

“Parece cristalino que o sítio desenvolvido pela ré foi inspirado no formato apresentado pela página oficial, de modo a criar associação proposital com os símbolos distintivos do produto da autora. Nesse contexto, a exploração de publicidade na página eletrônica desenvolvida pela ré para abordar o programa, ainda que não especificamente vinculado a este, traz inegáveis prejuízos à parte autora [...] Tal prática consiste em modalidade de parasitismo amplamente reconhecida pela doutrina, apta a caracterizar a concorrência desleal”, argumentou o juiz.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)