Cassilândia, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

20/03/2013 18:26

Por que não copiamos o modelo da Suécia na questão das drogas?

Evandro Pelarin*
Por  que não copiamos o modelo da Suécia na questão das drogas?

Diante desta epidemia do consumo de drogas no Brasil, especialmente do crack, que vem destruindo famílias inteiras, numa velocidade e quantidade impressionantes, e alavancando uma criminalidade que mata mais que a guerra do Iraque, há uma busca desenfreada por internações de dependentes químicos. E daí surge um perigo: a ideia de que a abertura de clínicas e mais clínicas (e, agora, com as despesas caríssimas a serem pagas pelo Estado) é a solução para este grave problema. Mas este modo de enfrentamento é um equívoco para saúde pública, para a segurança pública e para as finanças do governo, que vai precisar aumentar ainda mais os impostos.

É inegável que, para o dependente de crack, por exemplo, o tratamento é mesmo a saída imediata e, talvez, a última. Porém, temos que ter cuidado com esse modelo de combate às drogas, quando passamos a olhar o problema como um todo. Isso porque, além de não combater suas causas, muitos começam a acreditar que basta a internação numa clínica que o dependente voltará a ser o que era antes, deixando de lado, assim, a necessidade de investimento em ações preventivas. Contudo, em matéria de drogas, bem vivo o velho ditado de que prevenir é melhor do que remediar.

Na infância e juventude, os números são alarmantes. Desde 2007, quando firmamos convênio com a Unimed para internações de menores dependentes de crack oriundos de famílias carentes, nossa estimativa é de que a cada oito menores internados apenas um se recupera completamente. Ou seja, a taxa de recuperação é muito baixa, o que nos mostra que, ao invés de só gastar todas as nossas energias em internações de dependentes, devemos investir mais na prevenção, no sentido de evitar que as pessoas, principalmente os jovens, tenham contato com as drogas.

E prevenção contra as drogas significa educação dentro de casa, na escola e por meio da comunicação pública sobre os malefícios dos entorpecentes e uma legislação rigorosa, no que o Brasil está na contramão, pois, ao longo dos anos, a legislação vem despenalizando o consumo; aliás, atualmente, é forte a proposição da legalização de todas as drogas, na onda de países como Portugal, o que é um atentado contra a saúde pública e contra a segurança pública. E as últimas estatísticas confirmam: depois da lei de 2006, que despenalizou o consumo, o uso e o tráfico de drogas explodiram no Brasil.

Na Suécia, sétimo país no ranking de IDH (índice de desenvolvimento humano) e um dos países mais seguros do mundo, o consumo de drogas é considerado crime, com punição de até três anos de prisão. O governo sueco adotou maior rigor contra as drogas a partir de 1993, quando os índices de criminalidade começaram a diminuir. E nos últimos 30 anos, o número de dependentes de drogas caiu de 12% para 2%. A taxa de usuário de cocaína é um quinto dos países vizinhos, como a Holanda, que teve uma política liberal quanto às drogas e agora, arrependida, está voltando atrás. E mais: segundo a embaixadora da Suécia no Brasil, Annika Markovic, que esteve esta semana no Senado Federal, até o momento a Suécia não sabe o que é o crack.

Ainda conforme a embaixadora sueca, há, naquele país, um forte investimento em repressão às drogas. “Rejeitamos todo e qualquer tipo de droga e não aceitamos a integração das drogas em nossa sociedade”, disse a embaixadora. Ou seja, na Suécia, não existe diferença entre drogas leves ou pesadas. Todas são severamente reprimidas e o usuário vai para a cadeia. Aliás, 90% dos suecos rejeitam a tese da descriminalização ou da legalização das drogas. Obviamente, lá, são raras as clínicas de tratamento, pois não há doentes de crack, como aqui.

E, por fim, como perguntou no Twitter o Deputado Federal Osmar Terra do Rio Grande do Sul: que modelo de combate às drogas nós queremos? O da Suécia ou o de Portugal?

- Evandro Pelarin - Juiz de Direito

E o álcool?
 
Edu Freire em 14/09/2015 11:13:20
O modelo sueco é o único no mundo, um exceção, que houve porque ela usou esse argumento para cassar imigrantes ilegais, principalmente do leste europeu no pós URSS, e isso trouxe diminuição da criminalidade que aparenta ser das guerra contra as drogas, vocês nunca falam de Portugal que legalizou e teve diminuição da criminalidade.
 
Jairo thiago em 07/11/2013 11:48:42
Acredito que seria muito mais eficiente do que o modelo que temos no Brasil, onde, protegendo o usuário, acaba beneficiando o traficante, mas vou mais além. Tráfico de drogas deveria ser considerado um crime hediondo, sujeito a pena máxima possível. Pois o traficante não só acaba com a vida do usuário, mas com a vida de toda sua família. Tudo bem que ninguém é obrigado a usar drogas, mas todos temos um momento de fraqueza, e se a pessoa que está do nosso lado neste momento não for tão "amiga" assim, entramos num caminho onde a volta é muito penosa e difícil para todos os envolvidos. A melhor prevenção é saber quem são nossos amigos, dificilmente uma pessoa vai sozinha, sem nenhum "incentivo" até um traficante para comprar drogas, sempre tem um "amigo" que está disposto a "ajudar".
 
Alessandra Matias em 20/03/2013 19:55:11
Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)