Cassilândia, Domingo, 20 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

23/05/2011 18:19

População carcerária apresenta maiores índices de sintomas depressivos

Agência Notisa

AGÊNCIA NOTISA – O Brasil é o quarto país com a maior população carcerária do mundo, e a porcentagem de presos do sexo feminino está aumentando. De acordo com dados do artigo “Características, sintomas depressivos e fatores associados em mulheres encarceradas no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil”, até 2012, as mulheres representarão 7,65% do total de presos, enquanto que, em 2010, eram apenas 6,12%. Tendo em vista que, entre carcerários, os níveis de depressão e outros transtornos mentais são maiores do que a média populacional, tal realidade se configura um problema de saúde pública para o qual é preciso encontrar soluções.

No estudo em questão, publicado ano passado nos Cadernos de Saúde Pública e de autoria de Daniela Canazaro e Irani Iracema Argimon, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), buscou-se registrar o perfil da mulher encarcerada. Para tanto, as autoras realizaram entrevistas e ministraram questionários sociodemográficos e de avaliação de sintomas depressivos em 287 presas da Penitenciária Feminina Madre Pelletier (Porto Alegre). As presas caracterizam-se por “ser solteira, jovem, ter no mínimo dois filhos, ter exercido atividades informais e geralmente de baixo status social e/ou econômico, possuir até o Ensino Fundamental incompleto”, relatam no artigo.

O enfoque nas mulheres, segundo as autoras, se justifica pelos maiores índices de doenças mentais entre presas do sexo feminino do que entre homens. Isto porque o próprio perfil das mulheres encarceradas é diferente, devido: (a) ao padrão dos crimes das mulheres impor um menor nível de risco à comunidade; (b) ao fato de possivelmente serem mais responsáveis pelo cuidado dos filhos e pela manutenção da casa do que os homens, de modo que o impacto da prisão é desproporcionalmente mais grave para as prisioneiras, frequentemente resultando na perda do lar e em dano grave na vida de seus filhos e (c) ao fato da mulher sofrer uma cadeia mais grave de exclusão social do que o homem, apresentando altos níveis de abuso e violência doméstica e problema de saúde mental, enumeram as autoras.

Os índices de depressão não diferenciavam significativamente de acordo com o tempo de aprisionamento. Esse resultado, segundo as pesquisadoras, corrobora o fato dos transtornos mentais das presas estarem “relacionados com sua história pregressa”. Uma parcela significativa apresentava experiências passadas com “abuso sexual ou emocional, prescrição para uso de medicação psiquiátrica e dependência de substâncias psicoativas e comorbidade de dependência de substâncias químicas e álcool”, dizem as autoras na publicação.

Apesar disso, o ambiente da prisão, acreditam, pode ser um fator considerável para o agravamento de problemas de saúde mental. Dessa maneira, devem-se criar articulações para que o encarceramento possa se configurar como “possibilidade de tratamento psicoterapêutico para as detentas, articulado com a criação de programas de saúde pública”. As detentas, defende o artigo, precisam de uma atenção multidisciplinar, envolvendo tratamentos psicológicos, psiquiátricos e terapias ocupacionais, de maneira que os sintomas emocionais depressivos sejam minimizados e as presas estejam “mais preparadas para retornar à vida em sociedade”, concluem as autoras no trabalho.

O artigo na íntegra pode ser lido em: http://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S0102311X2010000700011&script=sci_arttext.

Agência Notisa (science journalism – jornalismo científico)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Agosto de 2017
Sábado, 19 de Agosto de 2017
20:38
Para o fim de semana
10:00
Receita do dia
Sexta, 18 de Agosto de 2017
Quinta, 17 de Agosto de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)