Cassilândia, Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

14/12/2009 12:19

Pombos atormentam moradores e geram multas pesadas

Campo Grande News/ Fernanda Mathias e Adriany Vital

Motivo de dor de cabeça para moradores de vários bairros de Campo Grande, a presença de pombos também têm gerado multas pesadas, que passam de R$ 7 mil, conforme editais de autuação que o CCZ (Centro de Controle de Zoonozes) tem publicado em Diário Oficial.

Nesta segunda-feira foi publicada atuação e aviso de abertura de processo administrativo conta a proprietária de um imóvel na rua General Camilo Comoretto, no Taveirópolis, por não dar a manutenção devida, possibilitando a proliferação dos pombos. Conforme o edital de autuação, em visita anterior a proprietária recebeu orientações para evitar a presença das aves.

É de domínio público que os pombos são agentes transmissores de várias doenças, a mais conhecida delas a toxoplasmose. O que poucos sabem, porém, é como evitar a presença destas aves, que se tornaram verdadeiras pragas em vários pontos da cidade.

A disponibilidade de alimentos, água e de espaço para que se alojem e formem ninhos são os primeiros pontos que devem ser combatidos, ensina a bióloga Francini Mariotti.

Cultural – A bióloga ressalta que em Campo Grande há um problema cultural, porque muitas pessoas têm hábito de alimentar os pombos, especialmente em locais públicos, como praças.

Maurício martins, 50 anos, é pioqueiro há 7 anos e trabalha na Ary Coelho, no período de férias escolares. No local há muitos pombos, mas o pipoqueiro diz que não se incomoda.

"Cresci vendo meu pai criar pombos. Você já viu uma pessoa morrer por causa de pombo?”, questionou. O pipoqueiro critica funcionários da prefeitura que montam arapucas na praça e recolhem as aves. “Já perguntei para onde vão e disseram que levam para Anhanduí. É mentira. A gente sabe que eles são exterminados”, lamenta.

Há 15 anos na praça Ary Coelho, o pipoqueiro Berlamino Pereira dos Santos, 65 anos, disse que também não se incomoda com os pombos e que acha que eles não trazem doença. “Quem passa doença é ser humano. Pombo não passa doença”, afirma.

Tormenta – Já na casa da massoterapeuta Maria Aparecida Sarsi, 57 anos, no Taveirópolis, a luta para se ver livre das aves durou cinco meses. “Foi um sacrifício. Tentamos de tudo: bombinhas, arapuca, naftalina e até bater panelas”, conta.

O pombos começaram a fazer ninho e a se abrigar no madeiramento sob a varanda do fundo, gerando muita sujeira de fezes e penas e expondo os moradores ao risco de contaminação por doenças.

“Tirava os ninhos, limpava e duas semanas depois havia novos ninhos com ovos”, afirma. Percebendo que as aves se apinhavam na luminária, Maria Aparecida decidiu retirá-la, mas elas se acomodavam em outras madeiras.

Para assustar os pombos, ela chegou a usar bombinhas, mas logo após o estouro elas voltavam. Naftalina, creolina e arapucas, nada adiantou. “Só depois que tapamos todas as vigas de madeira com plástico que elas desapareceram de vez”, relata.

A massoterapeuta conta que na casa de um amigo de seu filho os pombos se aglomeravam para tomar água da piscina. “A solução foi baixar o nível da água em um palmo, aí elas não alcançavam mais”, conta.

O Campo Grande News procurou a Prefeitura, através da assessoria de imprensa, para tratar do assunto, mas até o fechamento da reportagem não houve retorno.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 18 de Fevereiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)