Cassilândia, Quarta-feira, 29 de Março de 2017

Últimas Notícias

29/01/2004 12:45

Policiais montam plano para investigar morte de fiscais

Juliana Andrade/ABr

Delegados e agentes da Polícia Federal, membros do Ministério Público e policiais civis e militares de Minas Gerais estão reunidos no Fórum de Justiça de Unaí, município do noroeste do estado, localizado a 140km de Brasília, para definir o plano de investigação sobre o assassinato de três auditores fiscais e de um motorista do ministério do Trabalho. Os fiscais Nelson José da Silva, João Batista Soares Lages, Eratóstenes de Almeida Gonçalves e o motorista Ailton Pereira de Oliveira foram mortos a tiros ontem (28) de manhã, enquanto faziam inspeções de rotina para identificar situações de trabalho irregular em fazendas da região.

Segundo o delegado da Polícia Federal Daniel Sampaio, um dos participantes da reunião, o primeiro passo é reunir todas as informações disponíveis sobre o assassinato. “Ainda é muito cedo para falar alguma coisa. Ainda estamos começando a reunir as informações”, disse o delegado por telefone à Agência Brasil.

A apuração do crime é prioridade para o governo federal. Ontem o presidente em exercício, José Alencar, determinou que fosse criada uma força-tarefa para investigar o assassinato dos três fiscais e do motorista. O grupo é composto pelas polícias Federal, Rodoviária Federal, Civil e Militar de Minas Gerais e pelo Ministério Público.

De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Especial de Direitos Humanos, não há ligação entre o crime e a ocorrência de trabalho escravo na região. Os fiscais, explicou a assessoria, fazem inspeções como a de ontem de forma rotineira para identificar qualquer tipo de irregularidade nas relações trabalhistas, como trabalhadores sem carteira assinada e situações de trabalho degradante.

Para a coordenadora nacional do Programa de Combate ao Trabalho Escravo no Brasil, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Patrícia Audi, independentemente de se confirmar ou não a ligação do caso com a ocorrência de trabalho escravo, o crime é um “atentado ao Estado, aos direitos humanos e àqueles que defendem a democracia”.

Patrícia Audi disse ainda que o assassinato é uma tentativa inócua de reprimir a ação fiscalizatória do Estado. “Não acreditamos que esse crime venha de alguma forma inibir a atuação desses fiscais”, afirmou a coordenadora, elogiando a criação da força-tarefa para apurar o caso. A medida demonstra, no entendimento de Patrícia, o interesse do governo federal em desvendar o crime com a maior rapidez.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 29 de Março de 2017
Terça, 28 de Março de 2017
21:41
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)