Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

17/06/2004 20:52

Plantação de tabaco desmata 200 mil hectares por ano no

Juliana Cézar Nunes / ABr

A indústria do tabaco vem mudando a paisagem rural. Um conjunto de estudos divulgado hoje pela Organização Mundial de Saúde (OMS) mostra que, a cada ano, cerca de 200 mil hectares de matas e florestas são destruídos no mundo para dar lugar a plantações de tabaco. Na África do Sul, mais de 1,4 mil quilômetros quadrados de terras indígenas desapareceram para servir, por meio da madeira, de combustível para as indústrias de fumo.

“Cerca de cinco milhões de hectares de terras aráveis são utilizadas para plantar tabaco. Se no lugar de fumo fosse plantado alimento, seria possível acabar com a fome de 20 milhões de pessoas”, alertou a pesquisadora do Centro de Saúde Global e Desenvolvimento Econômico da Universidade da Columbia (EUA), Katharine Esson, em debate na 11ª reunião da Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento (Unctad), em São Paulo.

Em parceria com a OMS, o Centro elaborou um documento que recomenda a não-inclusão do tabaco nas negociações comerciais entre países em desenvolvimento, sob pena de tornar ainda mais difícil a eliminação da pobreza e da fome.

Pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Marco Antônio Vargas, também participou da discussão realizada na Unctad sobre o impacto negativo da indústria tabagista nos países em desenvolvimento. Vargas apresentou dados sobre plantação e produção de tabaco no Brasil. De acordo com ele, o país é hoje o principal exportador de fumo e o quatro produtor. A região sul concentra 90% da produção, com cerca de dois milhões de hectares tomados pelo tabaco.

“Só na região do Vale do Rio Pardo, no Rio Grande do Sul, 25 municípios têm como base da economia a produção do fumo”, revela Vargas. Segundo ele, até 2001, 40% das verbas do Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf) eram destinados a pequenos produtores de tabaco. Na década de 90, somente uma empresa de cigarro teria recebido US$ 900 milhões em subsídios brasileiros.

“É um investimento com retornos muito duvidáveis. Os agricultores brasileiros recebem menos da metade do pagos pela empresas aos produtores dos Estados Unidos”, afirma o pesquisador da UFRJ. Para ele a solução está no incentivo à plantação de outros produtos, com potencial de contaminação do solo muito reduzido em relação ao fumo.

Na região sul, o Centro de Apoio aos Pequenos Agricultores (CAPA) já conseguiu envolver 12 municípios em um projeto de reconversão para a agroecologia. “Trata-se de um processo lento. Muitos agricultores desse projeto vão continuar plantando fumo até adquirirem segurança.”

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)