Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

11/07/2015 17:30

Paulistano volta a pagar por sacolas plásticas de supermercado a partir de hoje

Agência Brasil

Os supermercados da cidade de São Paulo voltaram a cobrar dos fregueses as sacolas plásticas de compras. Neste sábado (11), terminou o prazo de dois meses do acordo entre a Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor de São Paulo (Procon-SP) e a Associação Paulista de Supermercados (Apas), pelo qual duas sacolas eram dadas gratuitamente aos consumidores.

Dois estabelecimentos de grandes redes varejista visitados pela Agência Brasil, no entanto, optaram por estender a gratuidade até a próxima segunda-feira (13).

A açougueira Adriana Oliveira, de 29 anos, não concorda em ter que pagar para conseguir levar suas compras para casa. “Pesa um pouco mais na hora de pagar a conta”, afirmou Adrina, que prefere levar a própria sacola de casa. Apesar de as sacolas custarem, em média, entre R$ 0,08 e R$ 0,10, segundo a Apas, Adriana reclama de ter que comprar sacolas para o lixo. “Antes, eu aproveitava [a recebida no supermercado], mas agora vou ter que comprar à parte.”

Em 5 de abril deste ano, entrou em vigor uma lei municipal que estabeleceu padrões para as sacolas com o intuito de incentivar a reciclagem e o uso de bolsas retornáveis. A mudança fez com que os supermercados passassem a cobrar pelo item. O Procon ressaltou, à época, que o acordo buscou minimizar o impacto das imposições da lei, pois ela não proibiu a cobrança, deixando o consumidor à mercê das práticas de mercado.

“Quando o Procon nos chamou para fazer um acordo, acreditávamos que valia a pena fazer um investimento de comunicação que engajasse o consumidor no desafio que toda a metrópole tem, que é diminuir os seus resíduos”, disse o vice-presidente da Associação Paulista de Supermercados (Apas), Paulo Pompilio. De acordo com a entidade, em São Paulo, eram consumidas 700 sacolas por ano por pessoa. A meta é reduzir esse número em pelo menos 60%.

A prefeitura acionou a Justiça para tentar impedir a cobrança, mas o pedido de liminar foi negado no último dia 6. Para o juiz Sérgio Serrano Nunes Filho, da 1.ª Vara da Fazenda Pública da capital, além de o preço das sacolas não ser alto, o pagamento não é obrigatório, e o consumidor tem a opção de usar suas próprias sacolas para levar as compras. O pedido da prefeitura alegava que a cobrança das sacolas poderia atrapalhar os programas de reciclagem.

De acordo com a Apas, em São Paulo, eram consumidas 700 sacolas por ano por pessoa. “A nossa meta é reduzir para algo em torno de 60% e 70%”, informou Pompílio. Sobre o valor cobrado pelos supermercados, ele disse que a orientação é cobrar o preço de custo. Pompilio destaca, no entanto, que estabelecimentos menores têm menos poder de compra, fazendo com que o item encareça. Por isso, disse ele, a Apas vai comprar, por meio de uma cooperativa, grandes volumes de sacolas e repassá-las aos supermercados.

A orçamentista Luciana Xavier, de 41 anos, sente-se lesada com a cobrança, por entender que o valor da sacola já estava embutido no preço. “Com certeza, não era dado de graça. A gente já pagava.” Luciana considerou a padronização das sacolas válida para incentivar a reciclagem. “Foi uma boa ideia, só não gostei do preço mesmo”, afirmou.

Segundo a Apas, o valor das sacolas não estava embutido no preço dos produtos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)