Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

24/01/2007 15:20

Para jurista, governo não pode mexer no FGTS

Agência Brasil/Yara Aquino

A proposta de usar dinheiro do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para melhorar a infra-estrutura do país enfrenta um entrave jurídico, na avaliação do jurista Yves Gandra Martins.

A criação de um fundo de investimento em infra-estrutura com recursos do FGTS está prevista no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), lançado segunda-feira (22) pelo governo federal.

“O problema é jurídico. O governo não pode dispor como quiser de algo que não lhe pertence. Não vejo como, juridicamente, possa decidir em nome do trabalhador”, afirmou o jurista, em entrevista à Rádio Nacional.

Martins disse que os investimentos em infra-estrutura são aplicações com rentabilidade de longo prazo e que a proposta é “uma espécie de empréstimo compulsório”.

Ele considera útil investir em infra-estrutura, mas acha que isso só deve ser feito em “comum acordo” com os trabalhadores.

Uma das propostas é aplicar inicialmente R$ 5 bilhões do patrimônio líquido do FGTS em obras de infra-estrutura como estradas, rodovias e ferrovias. Porém, o montante pode chegar a aproximadamente R$ 17 bilhões, ou seja, 80% do patrimônio líquido, que atualmente é de cerca de R$ 21 bilhões. O patrimônio líquido é formado pelo acúmulo da rentabilidade do FGTS e não está vinculado à conta do trabalhador.

Ontem, a Força Sindical e a Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos entraram com ação no Supremo Tribunal Federal pedindo que o fundo seja considerado inconstitucional.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)