Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

14/10/2016 06:10

Palhaço sinistro não chegou, mas gracinha pode acabar em prisão

Anahi Zurutuza, Campo Grande News
Palhaço teria sido fotografado de madrugada na Cidade do Natal (Foto: Facebook/Reprodução)Palhaço teria sido fotografado de madrugada na Cidade do Natal (Foto: Facebook/Reprodução)

As polícias Civil e Militar de Campo Grande não registraram nenhum caso de ameaça, perseguição ou qualquer outra situação parecida com as que vêm acontecendo nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e até em algumas cidades do Brasil. Mas, a onda do palhaço assustador pode “dar dor de cabeça” também por aqui.


O delegado Fernando Lopes Nogueira, diretor de operações especiais da Polícia Civil e professor de Direito Penal da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), explica que os palhaços que forem às ruas com o objetivo de assustar pessoas podem ser detidos por perturbação do sossego, previsto no artigo 42 da Lei das Contravenções Penais, ou da tranquilidade - artigo 65.


Comandante do Batalhão de Choque da Polícia Militar, o coronel Marcos Paulo Gimenez vai mais além. Para ele, dependendo da situação, o palhaço pode ser enquadrado pelo crime de ameaça.
Ele explica que até agora também não ficou sabendo que campo-grandenses aderiram à moda de assustar pessoas pelas ruas vestidos de palhaços.


Contudo, explica que a PM não vai hesitar em abordar a pessoa que estiver em atitude suspeita, mesmo que por trás das roupas coloridas e máscara. “Não existe pessoa suspeita, existe pessoa em atitude suspeita. Se alguém foi abordado pela polícia e for pego cometendo um crime, independente da roupa que está usando, vai ser preso”.
O coronel esclarece que se a pessoa fantasiada assustar alguém específico pode ter problemas. “Ameaça é um crime de ação penal condicionada, depende da denúncia, a vítima tem de se sentir ameaçada e se procurar a polícia imediatamente, já cabe representação”.


A PM também está atenta aos que pensam em se aproveitar “da modinha” para cometer crimes mais graves – assaltos e até homicídios.


Sobre o crime de ameaça – previsto no artigo 147 do Código Penal –, o professor de Direito, faz ressalvas. “É um crime muito individualizado, a ameaça tem de ser específica e contra alguém”.

Por Campo Grande – Já começaram a circular pelas redes sociais fotos de palhaços que teriam sido flagrados na Capital. Algumas das imagens são em locais de fácil identificação, mas outras, não há garantias de que foi na cidade.
Um dos administradores da página do Facebook “Passeando por Campo Grande”, por exemplo, explica que a equipe recebe muito conteúdo diariamente e que não tem certeza que se trata de palhaços fotografados ou filmados na Capital.


Contudo, o entendimento é de que, como o conteúdo publicado na página é de humor, não há necessidade de confirmação do local onde a imagem foi feita. “São brincadeiras”.


Só a “Passeando por Campo Grande”, divulgou três fotos: de um palhaço que estaria no Nova Lima – bairro do norte da cidade –, outro fotografado na Cidade do Natal e outro que teria sido filmado por uma câmera de segurança. “Não temos certeza que é tudo aqui, mas quem fez as imagens pode nos procurar para assumir a autoria”.


Comércio – As lojas de fantasias da Capital ainda não sentiram os efeitos da onda do palhaço assustador. Dos comércios consultados, apenas a DNA Fantasias recebeu ligações de clientes perguntando sobre máscaras de palhaços macabros. “A gente não tem para alugar, então indicamos para outras lojas”, afirma a atendente Natielle Carvalho.
A vendedora Paula Azambuja, da Pierrô Fantasias, afirma que a loja nem tem máscaras de palhaços assustadores, e a gerente da Anima Fest, Simone Souza, conta que vendeu uma, mas há alguns meses. “A gente acha que pro Halloween [Dia da Bruxas, no Brasil] vai ter maior procura”.


Fora da Capital – Não está claro o que deu início à pegadinha, mas segundo o G1, algumas pessoas sugeriram que pode se tratar de uma campanha publicitária de um filme de terror que está pra ser lançado. Tudo começou nos Estados Unidos, mas houve relatos de flagras Reino Unido, Canadá e Nova Zelândia.


A polícia disse ter recebido dezenas de relatos sobre palhaços “assassinos” na última semana, ainda conforme o G1. Os indivíduos vestidos com roupas de palhaço, estariam andando armados com facas, agindo de forma suspeita ou perseguindo pessoas, muitas vezes crianças pequenas.


No Brasil, os palhaços “do mal” já apareceram em Campinas e em São Paulo, conforme retratou a imprensa nacional.

Página do Facebook publicou: ‘às 3:30 os altos da Afonso Pena’ (Foto: Facebook/Reprodução)Página do Facebook publicou: ‘às 3:30 os altos da Afonso Pena’ (Foto: Facebook/Reprodução)
Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)