Cassilândia, Terça-feira, 27 de Junho de 2017

Últimas Notícias

11/04/2012 07:30

Palestra ensina jovens dizer "não" às drogas

Notícias MS/ Karina Lima

“A pessoa só tem como saber se é dependente químico depois que usa algum tipo de droga. Não há exame médico para antever isso. O ideal é não cair na besteira de se envolver com drogas, pois dificilmente quem usa consegue voltar sozinho. É um poço sem fundo. Não duvide e não use”, orienta a investigadora da Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico (Denar), Suely Baldo, nos primeiros minutos da palestra “Prevenção e Combate de Uso a Drogas”.

A palestra foi oferecida aos alunos da Escola Estadual João Carlos Flores, bairro Rita Vieira, na Capital, na manhã de terça-feira (10). A palestra tem como público-alvo os adolescentes que estão cursando o Ensino Médio da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul.

Vídeos, apresentações em slides e uma maleta com amostras de diferentes tipos de entorpecentes, tudo é apresentado aos alunos durante as palestras como forma de ilustração para informar e prevenir.



Durante o encontro, a cada novo slide a policial retira da maleta a substância (droga) apresentada no telão. “O que em um primeiro momento pode parecer só uma ‘folhinha’ ou ‘pó’ é na verdade substância química e perigosa que destrói os neurônios, e em alguns casos pode provocar o retardo mental”, explica a investigadora da Denar.

Segundo Suely Baldo, uma única pedra de craque tem a capacidade de destruir até 10 mil neurônios. “O traficante em si não usa drogas. O que ele faz a você é a seguinte proposta: ‘te dou dez paradinhas, você vende nove e uma é sua\'. Isso na verdade é uma armadilha para você entrar no tráfico e ainda ficar dependente da substância e do traficante. O traficante mesmo não é bobo de usar, o que ele quer é vender, ter lucro. Seja esperto e não caia nesse golpe”, é a orientação dada pela investigadora da Denar.

Olhos atentos e raciocínio lógico

Na plateia os olhos atentos e curiosos dos estudantes revelam quão o tema desperta o interesse deles. A cada dado transmitido pela palestrante um novo som é ecoado no ambiente, seja por meio de palavras soltas, um simples murmúrio de espanto ou até de assombro, e no meio do “barulho” todo já há estudantes que têm opinião formada sobre o assunto.



“A palestra ajuda a gente. Eu já sabia dos perigos das drogas, mas muita coisa dita aqui eu não conhecia. Na hora da palestra algumas histórias que ela [investigadora da Denar] conta podem parecer absurdas, mas se a gente pensar de verdade dá medo. Acho que se muita gente soubesse de todo o mal que as drogas causam talvez elas não tivessem usado”, fala a estudante de 15 anos Stella Vaz.

E quem tem opinião semelhante à de Stella é a sua colega Larrisa Cândido, de 14 anos. “A palestra é interessante. O ideal é que nenhum jovem se envolva com droga, ainda mais quando se sabe todo o estrago que ela pode nos causar. É coisa de ter valor, de amor próprio mesmo”, diz a jovem.

Pensando nessas questões de valores o diretor da Escola Estadual João Carlos Flores, Claudecy José da Cruz, resolveu trazer a palestra da Denar ao colégio. “A ideia partiu da nossa coordenadora pedagógica Osmarina e eu aceitei. Aqui já trabalhamos outros temas [trânsito, saúde, disciplina] em palestras e atividades. O trabalho da Denar só veio complementar nosso plano de trabalho. Inclusive orientamos os nossos professores que ao término desta palestra conversem com os seus alunos e promovam atividades”, explica o diretor.



“Assim que tive conhecimento do trabalho da Denar eu entrei em contato com o delegado da Denar, Marcos Takeshita. A intenção é orientar nossos jovens mesmo. Sabemos e já vimos alguns fumando cigarro e isso nos preocupa. O uso do cigarro pode desencadear para coisas mais sérias e não há arma melhor para combater os problemas que o diálogo e a informação”, conclui a coordenadora pedagógica Osmarina Souza.

Combater é informar

Nos colégios são pautados temas como: o golpe \"boa noite cinderela\" – em que uma vítima consome sem saber uma bebida com droga diluída; álcool; cigarro; cola de sapateiro; ansiolíticos – remédios para ansiedade e obesidade que em doses excessivas causam dependência, e drogas ilícitas (maconha, haxixe, craque, pasta base, LSD e ópio).

Durante as palestras as drogas são apresentadas aos estudantes por meio de classificações: depressiva, estimulante e perturbadora. Segundo a Denar, os estudiosos fazem essa divisão por classe com base na ação que cada tipo exerce sobre o sistema nervoso.

Entorpecentes e crimes

O delegado da Denar, Marcos Takeshita, revela que é possível até classificar um crime com base no uso de drogas que um indivíduo consome, a exemplo das drogas perturbadoras, como o LSD, que tende a envolver os dependentes em ocorrências de suicídios, por estimular a alucinação ou a sensação sinestésica – que é um estado neurológico que provoca a mistura de sentidos - sendo possível sentir aroma nas cores e cores nos sons.

“A pessoa sob efeitos do LSD tende a ver monstros, ou seja, ver coisas onde não tem. Imagine um usuário que está em um prédio e tem uma alucinação, é possível que ele se jogue da sacada ou janela. Não é que ele queira se matar, mas fugir das supostas ‘ameaças’”, explica o delegado da Denar.

Mais danos à saúde

Os entorpecentes, além de danificar irreversivelmente o sistema nervoso, ainda podem levar a doenças infecciosas. O uso coletivo de seringas para a injeção de drogas é um dos principais meios de transmissão do vírus da Aids e da hepatite B e C.

Os diretores interessados em agendar uma palestra da Denar em sua escola devem entrar em contato pelo telefone (67) 3341-5055.

Aline Lira

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 27 de Junho de 2017
Segunda, 26 de Junho de 2017
Domingo, 25 de Junho de 2017
15:50
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)