Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

22/01/2007 21:06

OIE discute situação sanitária de MS dia 29 em Paris

Cristiane Sandim

O diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura (MAPA), Dr. Jamil Gomes de Souza, participa amanhã (23), a partir das 10h30, de uma reunião com autoridades sanitárias do Estado onde tomará conhecimento das ações que vem sendo desenvolvidas em prol à recuperação do status sanitário de Mato Grosso do Sul. Atual chefe da Comissão Técnica das Américas para Organização Internacional de Saúde Animal (OIE), Dr. Jamil será responsável pela “defesa“ do Estado junto a Comissão Científica da OIE no próximo dia 29, em Paris.

Segundo a secretária de Desenvolvimento Agrário, da Produção e do Turismo (Seprotur), Tereza Cristina Correa da Costa Dias, que deve integrar a comissão que segue para Paris para assistir a reunião, a discussão é altamente técnica e formalizada. “Ele terá poucos minutos para expor a atual situação do Estado e contestar possíveis questionamentos. Por isso, vamos nos reunir para discutir os assuntos que devem ser priorizados”, explica ela que confirmou participar da reunião desta terça-feira, que acontece na sede da Superintendência Federal da Agricultura (SFA).

A recuperação do status sanitário vem sendo uma das prioridades do atual governo, que desde o início do ano vem realizando discussões sobre o assunto, tanto com autoridades estaduais como em âmbito federal. As primeiras ações nesse sentido já começaram a ser efetivadas, entre elas está o atendimento em período integral dos escritórios da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) e das Agências Fazendárias, o recadastramento das propriedades rurais, a informatização da Iagro, a fiscalização e a vacinação na faixa de fronteira.

CONHECENDO A OIE

A OIE foi criada em 1924 para ajudar os países a coordenarem informações sobre doenças animais e diminuir o potencial de epidemias. Após a Primeira Guerra Mundial, a Alemanha foi obrigada a pagar uma considerável quantia para vários países da Europa. Como parte deste pagamento, muitas centenas de rebanhos bovinos foram para uma estação na Bélgica antes de serem distribuídos para os outros países.



Os animais contraíram peste bovina na estação e após a propagação, a peste bovina foi declarada nos países destinatários. Para ajudar a evitar problemas similares no futuro, os países da Europa juntaram-se para criar a OIE. Durante os 20 anos de existência, a OIE expandiu além das fronteiras do continente Europeu, tornando-se uma organização mundial. Atualmente a OIE é composto pelos cinco continentes com um total de 167 nações membros. Estruturalmente ela é composta por dois tipos de comissões: as regionais e as especializadas.

A OIE classifica doenças animais baseado na significância relativa sócio-econômica ou de saúde pública. Atualmente essas doenças encontram-se divididas em dois grupos: “Doenças Lista A” e “Doenças Lista B”.

No primeiro caso, as doenças relacionadas são consideradas como transmissíveis por possuírem um potencial de difusão muito sério e muito rápido, sem levar em consideração as fronteiras nacionais, que são de conseqüências sócio-econômicas ou de saúde pública sérias e que são da maior importância no comércio internacional de animais e seus subprodutos. “Doenças Lista A” recebem prioridade de exclusão, porque a presença destas dita o fechamento das exportações. Encontram-se listadas neste grupo a Febre Aftosa e a Doença de Newcastle, por exemplo.

No outro caso, as doenças relacionadas são definidas pela OIE como doenças transmissíveis que são consideradas de importância sócio-econômica e/ou de saúde pública dentro dos países e que são significativas no comércio internacional de animais e produtos de origem animal, porém não interferem no mercado de exportação, a exemplo da brucelose e raiva bovina, entre outras.

Hoje, a OIE é responsável pela padronização dos métodos de diagnóstico, metodologias de vacinas, e difusão de informação sobre a situação da doença nas nações membros. Com informações do site www.oie.int.



Cristiane Sandim

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)