Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

03/03/2007 08:46

O recado do Cheida - O vaga-lume e o sapo

Luis Eduardo Cheida*
Cassilândia NewsCassilândia News

Lustroso um astro volante

rompeu das humildes relvas:

com seu vôo rutilante

alegrava à noite as selvas.



Mas de vizinho terreno

saiu de uma cova um sapo,

e despediu-lhe um sopapo

que o ensopou de veneno.



Ao morrer, exclama o triste:

“Que tens tu que me acuses?

Que crime em meu seio existe?”

Respondeu-lhe: “Porque luzes!”



A inspirada portuguesinha, Marquesa de Alorna, nos idos de 1810, desfechou estes versos como uma bofetada.

Porque achamos belo, acabamos por destruir o objeto que nos atrai.



O mundo está cheio de exemplos assim.



O marfim é admirado por sua beleza e resistência. Ano passado, 23 mil elefantes africanos (a segunda maior criatura viva sobre a Terra) foram mortos para abastecer o mercado ilegal de marfim. Um massacre.



Assim agem os juntadores de conchas, os apanhadores de corais, os caçadores de pássaros, os colecionadores de borboletas...

Por motivos similares, desaparecem o urso panda chinês, o coala australiano, a marmota de Vancouver, as orquídeas da Mata Atlântica, o rinoceronte de Sumatra, a foca do Mediterrâneo, o corvo do Havaí, o antílope do Tibet, a águia e o crocodilo das Filipinas, o peixe-cachimbo do Texas, o lobo da Tasmânia, o gorila das montanhas...

São espécies em extinção. São mortos-vivos.


Há mercado para a beleza. E ele precisa ser abastecido.


Como a humanidade age para reparar essa destruição? Como aplaca a consciência que mata porque inveja? Que mata porque ama?


Simples: os canteiros de flores viraram asfalto? Façamos flores de polietileno. Edificamos a cidade onde antes havia floresta? Contruamos árvores de plástico. Extingüimos o noa da Nova Zelândia ou o rukh de Madagascar? Montemos estes bichos em borracha.

Fazemos isso tão perfeitamente que, sem-querer-querendo, fazemos quase igual à mãe natureza. Duvida?


Ano passado, em Monte Alto, interior de São Paulo, Domingos Alves, de 60 anos, e Alceu Colevate, de 70, decidiram fazer uma boa ação: plantaram uma árvore no canteiro da cidade. Durante três meses, cercaram a planta de mimos, regando-a todos os dias. Os vizinhos, entusiasmados, participavam. Após três meses, a árvore não cresceu, não floriu, não deu frutos e não murchou. Final do ano, perceberam: haviam plantado uma árvore de plástico!


Segundo o poema, o sapo destrói o vaga-lume porque ele brilha. A inveja mata.

Somos o sapo.

Se, no final dos tempos, nos perguntar a natureza: que tens tu que me acuses? Que jamais respondamos: porque luzes! Seria triste demais.


A espécie humana tem seu próprio brilho. É só procurar. É só admitir.

Enquanto isso, um forte abraço e até sexta que vem.


PS: Ontem fui eleito presidente da Comissão de Ecologia e Meio Ambiente da Assembléia Legislativa do Paraná. Junto a outros seis deputados, pretendo desenvolver um trabalho coerente com os pontos de vista que defendo aqui.


--------------------------------------------------------------------------------

Luiz Eduardo Cheida é médico, deputado estadual e presidente da Comissão de Ecologia da Assembléia Legislativa do Paraná. Foi prefeito de Londrina, Secretário de Estado do Meio Ambiente, membro titular do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e da Secretaria Nacional de Recursos Hídricos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)