Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

31/03/2008 08:48

O recado do Cheida: A violência e persistência

Luiz Eduardo Cheida

O vento e o sol discutiam sobre quem era mais forte. Olhando para a terra, viram um homem caminhando, vestindo seu casaco. O vento desafiou:

- Quem de nós o fizer retirar o casaco é o mais forte.

Concordando, o sol pediu que o vento agisse primeiro.

E ele fez o que sabia fazer: soprar. Soprou forte. O homem, sentindo frio, abotoou o casaco. Ele soprou mais forte ainda, com violência, e o homem, fechando ainda mais a vestimenta, encolheu-se todo. Constatando que, quanto mais violento, menos chances de fazê-lo despir-se, parou de soprar.

Foi, então, a vez do sol.

A princípio, o sol brilhou fracamente. O homem endireitou o corpo. Em seguida, brilhou mais forte. O homem desabotoou o casaco. Por fim, brilhou com grande intensidade. O caminhante, encalorado, retirou o casaco completamente.

- Você é o mais forte – admitiu o vento.

- Não – respondeu o sol – sou apenas o mais persistente.

A humanidade está diante de uma encruzilhada civilizatória. Nosso modelo de civilização parece ter esgotado as chances de manter o planeta ambientalmente equilibrado.

O progresso que a maior parte do mundo persegue é o bem-sucedido padrão norte-americano de consumo. O mesmo que faz seus 350 milhões de habitantes consumirem 25% da energia e matérias-primas produzidas na Terra. É fácil entender que, se todas as pessoas tivessem este padrão, o planeta suportaria só 1,4 bilhões delas. Entretanto, já somos mais de 6,5 bilhões! Mesmo assim, as pessoas perseguem este padrão. Ele não é matematicamente possível, mas é o padrão desejado.

Além de não ser aritmeticamente viável, este modelo é competitivo, é excludente, é gerador de misérias e mazelas sociais; é intrinsecamente pernicioso porque descarta os que não se enquadram; intrinsecamente mau porque alija os que não o reproduzem; é predador dos recursos naturais, é produtor de passivos ambientais, é uma ameaça à integridade física e biológica do planeta. Mesmo assim, é desejado com um fervor religioso.

O modelo de civilização buscado pela maioria não garante a permanência da maioria no planeta. Por isso, estamos diante de uma crise civilizatória.

Diante de crise de tamanhas proporções, é preciso insistir em um outro padrão de comportamento. Um padrão que, em vez de competitivo, seja solidário. Em vez de excluir, inclua. Em vez de gerar misérias e mazelas sociais, promova o desenvolvimento individual e coletivo. Em vez de descartar quem não se enquadra, garanta chances desiguais aos desiguais. Em vez de alijar os que não o reproduzem, valorize aqueles que apontam caminhos diferentes. Em vez de predar, poupe os recursos naturais. Em vez de produzir passivos ambientais, produza alternativas naturais. Em vez de ameaçar o planeta, coloque-se ao lado dele.

E não adianta, como o vento, usar a violência para que tais padrões estabeleçam-se. Como o sol, é preciso persistência.

Ser persistente na defesa da solidariedade. Persistente na busca da inclusão. Persistente na construção do desenvolvimento individual e coletivo. Persistente na tolerância para com os desiguais. Persistente na valorização dos que pensam diferente. Persistente, enfim, na busca de um novo modelo civilizatório que, sem perder o dom de produzir cultura, nos faça voltar a conviver com o mundo natural.

Em verdade, a crise civilizatória é uma crise de valores morais. A natureza venceu. É preciso admitir. É hora de substituir a velha moral humana por princípios naturais. Mesmo que não o façamos pelo mundo natural; que o façamos apenas por nós. Por nossa exclusiva sobrevivência.

A natureza já teve paciência demais.



Um forte abraço e até sexta que vem.











--------------------------------------------------------------------------------

Luiz Eduardo Cheida é médico, deputado estadual e presidente da Comissão de Ecologia da Assembléia Legislativa do Paraná. Premiado pela ONU por seus projetos ambientais, foi prefeito de Londrina, secretário de Estado do Meio Ambiente, membro titular do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente) e do Conselho Nacional de Recursos Hídricos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)