Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

08/05/2010 06:42

O que pensa um economista sobre o Dia das Mães

João Mellão Neto

Peço desculpas ao Júlio César Mesquita, meu chefe. Minha obrigação das sexta feiras é escrever sobre economia e política. Mas hoje, rompendo parcialmente nosso trato, arriscarei desenvolver um tema diferente.

Domingo é o Dia das Mães. Há quem torça o nariz a essa data, alegando ser ela uma jogada de marketing. Tanto faz. A data pode ser uma invenção do comércio, mas a minha mãe seguramente não é. Sinto-me no dever de homenageá-la e, através dela, a todas as mulheres, razão maior de nossa existência, sentido único de nossas vidas.

Depois de Deus, o único ser onipresente em nossas vidas é a mulher. Nascemos do útero de uma, morreremos nos braços de outra. Entre um evento e outro, em nome delas construímos a civilização. Seus desígnios, como o do Senhor, são imponderáveis. Nunca chegamos a compreendê-las. A natureza, para nosso alívio, nos poupou dessa missão impossível: cabe-nos apenas amá-las e respeitá-las.

Fui criado dentro da mística machista. Mas, confesso que através da vida, nunca presenciei nenhum fato que me provasse ser o homem realmente o sexo forte. Na escola, do primário à universidade, os primeiros dez lugares da classe, em notas, invariavelmente pertenciam às mulheres. O primeiro marmanjo vinha em décimo – primeiro, e, diziam as más línguas, ele não era tão marmanjo assim.

Pertenço à geração que, profundamente incomodada, assistiu à ascensão da mulher no mercado de trabalho. Dói-nos reconhecer, mas o fato é que elas são mais eficientes, esforçadas e determinadas do que nós.

Pobre do executivo que, em uma reunião de negócios, topa pela frente com um interlocutor do sexo feminino. A luta é desigual. Quando não nos fulminam com uma argumentação mais bem fundamentada (elas sempre estudam o ponto antes…), tratam de derreter nossa intransigência com um simples sorriso. Isso para não citar o extremo e desleal recurso da lágrima, sem dúvida, a mais poderosa força hidráulica jamais criada pela humanidade.

Apesar de sua inegável superioridade, ainda lhes reservamos, nas organizações, funções quase exclusivamente subalternas. Elas alegam que isso é chauvinismo. Talvez tenha sido, no passado. Hoje, infelizmente, é puro instinto de sobrevivência.

Se, aos poucos, vão nos superando no campo profissional, desde sempre nos suplantaram na política da vida. São biológica e afetivamente mais resistentes do que o homem: vivem mais tempo que nós e, o que é pior, são plenamente capazes de viver sem nós. Quem nos dera poder afirmar o mesmo!

A arena onde os dois sexos medem esforços é o matrimônio. O homem o procura em busca de carinho e sentido para a sua vida. A mulher, em geral mais prática, procura nessa aliança o ninho seguro para criar os filhos. Obviamente o poder de barganha do homem é muito menor. Acabam restando, nos dias atuais, apenas três tipos de casamento: aqueles que não dão certo; aqueles em que a mulher manda e aqueles em que o homem pensa que manda…

A mulher concebe, o homem não. E aí está, fundamentalmente, a diferença. Deus delegou a elas, e não á nós, o dom de reproduzir a vida. E nós nunca as perdoamos por isso.

Através dos séculos, as flagelamos, as dominamos, as submetemos justamente para que, dessa forma, pudéssemos camuflar a nossa revolta, a nossa frustração, o nosso inconsciente sentimento de inferioridade.

Impusemos a sua virgindade, exigimos a sua exclusividade, trancamo-las, a sete chaves, em nossos castelos. Elas, mais seguras, nunca nos reivindicaram nada disso. As mulheres multiplicam a vida, os homens só possuem a sua. A mulher, espiritualmente, é o maior e único tesouro do homem. Assim sendo, ela a guarda, esconde e trancafia. Abençoada ela que, mesmo na clausura, possui a luz para gerar, de seu próprio ventre, os objetos de seu amor.

A mulher, acima de tudo, é mãe. E não há palavra mais bela, mais suave e mais plena de conteúdo que lábios humanos sejam capazes de pronunciar. No pensamento de Khalil Gibran, o vocábulo “mãe” é tudo nessa vida.

Essa palavra, ao mesmo tempo pequena e imensa, significa o consolo na aflição, a luz na desesperança, a força na derrota; é o peito onde reclinamos nossa cabeça, a mão que nos abençoa, o olho que nos protege.

Quer o destino que nossas mães cruzem os portões do infinito antes que nós o façamos. E assim, por sabedoria de Deus, aprendemos a transferir todo o seu significado para nossas mulheres, que são mães de nossos filhos, que serão mães de nossos netos. Este é o sublime milagre da vida. Este é o sentido de nossa existência.

Meu caro Júlio Mesquita, perdoe-me por ter fugido aos temas usuais desta página. Não podia me furtar a fazê-lo. Acima da política, da economia e da nossa carreira, paira um símbolo maior que tudo. E todos nós, intimamente, esperamos poder repetir as palavras de Maurice Chevalier, já idoso, na última página de seu livro de memórias: “…Quando a Dama de Negro vier, poderei sempre embelezar o momento, imaginando que é minha mãe que me estende os braços dizendo: – Trabalhaste bastante…vem, meu filho…que agora eu cuido um pouco de ti”.

Artigo publicado no jornal “O Estado de São Paulo” em Maio de 1989.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)