Cassilândia, Terça-feira, 19 de Junho de 2018

Últimas Notícias

11/12/2006 21:05

Nota à imprensa do Ministério da Saúde

Agência Saúde

Em razão das informações sobre a taxa de mortalidade na infância (menores de 5 anos) e a taxa de mortalidade infantil (menores de 1 ano), divulgadas pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o Ministério da Saúde esclarece:


1) O Ministério da Saúde considera que as taxas de mortalidade infantil e na infância citadas no documento foram obtidas por meio de metodologia de estimativa que superestima a mortalidade infantil no Brasil;


2) Para que seja possível uma comparação de técnicas e melhor entendimento do que poderia estar levando à superestimativa calculada, seria fundamental que o Unicef apresentasse a metodologia adotada;


3) As estimativas da taxa de mortalidade infantil e da taxa de mortalidade na infância divulgadas pelo Unicef para 2005 apresentaram valores de 31 e 33 óbitos por mil nascidos vivos, respectivamente;


4) A estatística oficial do Ministério da Saúde estima uma taxa de mortalidade infantil de 22,58 óbitos/mil nascidos vivos e uma taxa de mortalidade na infância de 26,85 óbitos/mil nascidos vivos em 2004;


5) A tendência da taxa de mortalidade infantil no Brasil é de queda, desde 1996, passando de 33,7 óbitos/mil nascidos vivos em 1996 para 22,58 óbitos/mil nascidos vivos em 2004. Uma redução de 33% nesse período. Não há qualquer aumento da taxa de 2002 para 2004;


6) O Unicef, ao apresentar um valor tão alto para a mortalidade infantil no Brasil, não divulgou o método usado para esta estimativa e, também, não buscou qualquer discussão com a área técnica do Ministério da Saúde, responsável pelo cálculo da taxa;


7) O Ministério da Saúde, desde 1998, adota para o cálculo da taxa de mortalidade infantil o método construído em consenso com a Rede Interagencial de Informações para a Saúde (Ripsa), da qual fazem partes diversas instituições, como a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Faculdade de Saúde Publica da Universidade de São Paulo (USP), a Fundação Seade, a Fundação Oswaldo Cruz, além do próprio Ministério da Saúde.


8) O consenso estabelecido através da Ripsa, para o cálculo da taxa de mortalidade infantil e da taxa de mortalidade na infância, adota uma metodologia específica para selecionar os estados que terão taxas de mortalidade infantil calculadas pelo método direto. A idéia central consiste em calcular, para cada estado, um índice composto que leva em consideração o grau de cobertura dos óbitos infantis do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) e, ao mesmo tempo, valoriza a regularidade da informação nesse sistema:

Os estados que tenham alcançado um índice final (cobertura e regularidade do Sistema de Informações sobre Mortalidade) igual ou superior a 80% e cobertura do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc) igual ou superior a 90% tem a taxa de mortalidade infantil calculada a partir de dados obtidos diretamente dos sistemas. Assim, de acordo com esta definição, em 2003, foram utilizados para o cálculo da taxa de mortalidade infantil os dados diretos SIM e do Sinasc de oito unidades da federação (Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal);

Os estados que não preencheram os critérios estabelecidos pela Ripsa utilizam os dados estimados pelo IBGE;


9) Portanto, para o cálculo da taxa de mortalidade infantil e da mortalidade na infância nacional e para as regiões, o método desenvolvido considera um mix dos dados (diretos e indiretos). Assim são respeitadas as diferenças regionais;

10) De acordo com o segundo Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, elaborado pelo governo brasileiro, sob a coordenação do Ipea, com o apoio das Nações Unidas no Brasil, as projeções indicam que o país deve cumprir o objetivo número 4 do programa, que prevê reduzir em dois terços a mortalidade de crianças menores de cinco anos;


11) O Ministério da Saúde continuará implementando políticas públicas de atenção à saúde da criança, envolvendo ações intersetoriais direcionadas para a redução da taxa de mortalidade infantil, além da ampliação da oferta dos serviços de saúde na atenção básica e hospitalar (atenção ao pré-natal, vacinação, aleitamento materno, terapia de hidratação oral, humanização do parto, entre outros);


12) Com relação à atenção pré-natal observou-se um aumento da proporção de mães com sete consultas ou mais de pré-natal de 46% em 2000 para 52,9 em 2004. Um aumento de 15% nesse período o que representa um número absoluto de 171.600 mães a mais que realizarão sete consultas e mais. As mães sem nenhuma consulta de pré-natal representavam 4,9% em 2000 e no ano de 2004 esse percentual reduziu para 2,8%. Uma redução de 43%. Em números absolutos, 66.262 mães passaram a realizar consultas de pré-natal;

13) O Ministério da Saúde está aberto para um debate com a sociedade brasileira sobre o problema da mortalidade infantil no Brasil e o método de cálculo dessa taxa

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Junho de 2018
Domingo, 17 de Junho de 2018
10:00
Receita do dia
09:00
Santo do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)