Cassilândia, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

08/05/2009 15:20

Nelson Valente escreve sobre Sulcador Majestoso

Nelson Valente é professor universitário, jornalista e escritor

Conta-se uma história, que um certo dia, numa manhã ensolarada, que um pássaro aparecera em uma fazenda na minha querida cidade natal – Novo-Horizonte/SP.

Era pequeno e, ao invés da característica plumagem negra de urubu, apresentava-se com o corpo revestido por leve penugem branca, o que lhe dava um aspecto feio e grotesco.

Seu aparecimento provocou intenso alvoroço, entre os moradores. Santiago agarrou-o, acolheu-o carinhosamente, levou-o para casa, deu-lhe alimentos e, num gesto que bem demonstra a sensibilidade de seu coração, trouxe para a cidade.

À medida que o tempo passava, crescia o pequeno pássaro transviado, aumentando na mesma proporção o afeto recíproco entre Santiago e o sulcador majestoso dos espaços azuis.

A primitiva penugem branca fora substituída pelo sombrio e imaculado colorido negro; o bico de ave carnívora delineava pouco a pouco os seus poderosos contornos a procura do alimento preferido.

Em estranha e singela cerimônia, Santiago deu-lhe o nome de Sombra, gravando-o em pequena chapa de reluzente metal que lhe foi amarrado à perna direita.

E desde então, o negro pássaro constitui-se alvo de todas as atenções. Manso e obediente às ordens de seu senhor, enchia a casa toda com o rufar de suas enormes asas; quebrava o silêncio com o seu crocitar característico, afugentava os gatos do telhado, investindo, de outro lado, contra os representantes da raça canina que, furtivamente, procuravam virar as latas que encontravam no fundo do quintal...

Sob o abrigo seguro de seu humano protetor, dormia encolhido no recanto isolado de uma dependência existente numa extremidade da casa. Acordava aos primeiros albores da manhã, estirava as asas num genuíno espreguiçamento matinal e, com passos lentos e desengonçados, caminhava pela casa toda, a espera da primeira refeição, que não faltaria.

Depois, talvez cedendo aos impulsos do instinto, erguia vôo, desaparecendo na linha azul do horizonte.

Quiçá encontraria nessas viagens, lá ao longe, no recesso da mata silenciosa ou no cume de uma rocha alcantilada, a doce companheira que, arisca e desconfiada, recusava-se a segui-lo, não acreditando na bondade dos homens.

Horas depois regressava, anunciando ruidosamente sua chegada. Santiago esperava-o sempre, oferecendo-lhe como de hábito, suculentos nacos de carne que Sombra devorava em poucos instantes.

Mas, a maldade humana – certa feita, quando pousara em plena clareira no centro da cidade, garotos travessos o agarraram brutalmente fraturando-lhe uma asa. Santiago, prevendo o desastre, correu apressadamente, levando para a casa o urubu ferido. Prodigalizou-lhe todos os cuidados, recorrendo mesmo à competência de conhecido médico da cidade para salvar o pássaro que tanto estimava. Mas a terrível fratura exposta não deixava dúvidas sobre o intenso sofrimento e próximo fim da infeliz ave. Santiago não poderia suportar a lenta agonia do pobre Sombra. Sem coragem para efetuar o golpe de misericórdia , encarregou seu irmão Cândido para desfechar o tiro decisivo. Este, vacilante e comovido, executou a ordem dolorosa.

O estampido da cápsula ao deflagrar-se ecoou tristemente pela casa repercutindo em todas as dependências.

O negro pássaro agitou pela última vez suas imensas asas, como derradeiro agradecimento ao seu benfeitor, quebrando-se depois na eterna imobilidade da morte.

Santiago sentiu um nó na garganta e,no soluço que brotou do coração bem formado consubstanciava-se toda a afeição que, de modo singular, dedicava ao pobre ser alado que certa manhã aparecera na cidade de Novo-Horizonte/SP, provocando intenso alvoroço!...

A crônica acima foi a vencedora da Rádio Bandeirantes/SP.

Entre em : www.radiobandeirantes.com.br - Especiais - Crônica do Ouvinte.
Contato: nelsonvalenti@ig.com.br

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)