Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

20/04/2013 09:32

Negado pedido de indenização em serviço de saúde pública

TJMS

O juiz Alexandre Tsuyoushi Ito, em processo da 6ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos de Campo Grande, julgou improcedente a ação com pedido de danos morais e biológicos movida por G.A.G.I. contra o Estado de Mato Grosso do Sul, na qual a autora alega ter sofrido com a má prestação do serviço público de saúde.

A autora narra nos autos que no dia 22 de abril de 2012 foi ao Hospital Rosa Pedrossian para realizar um parto, que ocorreu por meio de cesariana. Afirma que o médico nem ao menos tentou realizar parto normal e que o profissional que executou o procedimento não era obstetra e, além de não haver um médico auxiliar para acompanhar a cirurgia, ela não fez nenhum exame laboratorial antes do parto.

G.A.G.I sustenta que teve sua bexiga lesionada durante o procedimento cirúrgico, o que lhe causou desconfortos psíquicos como o medo e insegurança e que foi obrigada a tomar remédios fortes que comprometeram a amamentação saudável de seu filho. A autora observa ainda que a falta de médico auxiliar prejudicou a realização do parto e que a lesão que sofreu poderia ter sido evitada caso a cirurgia fosse realizada de maneira correta.

Em contestação, o Estado de Mato Grosso do Sul aduziu que não existem provas de que a autora sofreu lesão na barriga após o parto cesáreo por condições precárias ou erro médico, nem que G.A.G.I. tenha feito acompanhamento pré-natal.

Segundo o magistrado em sua decisão, “não há como imputar qualquer dever de ressarcimento ao ente público requerido quando não se tem demonstrado o nexo de causalidade ou a existência do próprio dano. Não que a parte deva provar em Juízo a dor e o sofrimento, mas sim os fatos que, em tese, possibilitam a caracterização de eventual dano moral”.

Acrescentou o juiz que “tampouco existe prova de que a lesão ocorrida em sua bexiga tenha ocorrido por conta de um erro médico e que tal lesão seja permanente ou tenha causado complicações na amamentação de seu filho”.

Autor da notícia: Secretaria de Comunicação Social

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)