Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

25/08/2005 10:51

Não deve ser desencorajada gravidez após os 30 anos

Agência Notisa

A inserção da mulher no mercado de trabalho determinou um aumento no número de gestações em idade avançada. Apesar dos avanços da medicina, a gravidez tardia ainda oferece riscos.



A nítida mudança do papel social da mulher nos últimos 50 anos trouxe grandes benefícios, como sua inserção no mercado de trabalho, maior presença feminina no ensino superior e métodos contraceptivos. Casamentos tardios ou investimentos na vida profissional acabam por adiar o momento de gerar o primeiro filho. A mesa redonda Gravidez em Idade Avançada, realizada hoje durante o 43º Congresso Científico do Hospital Universitário Pedro Ernesto, reuniu médicos obstetras e ginecologistas em torno de um tema contemporâneo e que preocupa muitas mulheres. O congresso tem como tema central Os desafios do Envelhecimento e acontece no Hospital Universitário Pedro Ernesto, no Rio de Janeiro, até o próximo dia 26.

De acordo com Alexandre Trajano, médico e professor da disciplina de Obstetrícia da UERJ, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, “antigamente, as meninas se casavam muito cedo e, conseqüentemente, a primeira gravidez ocorria entre os 18 ou 20 anos. A pílula anticoncepcional permitiu a escolha do momento para engravidar. No entanto, a mulher moderna paga um preço por adiar o momento de ter filhos, já que, após os 30 anos, os riscos aumentam tanto para mãe, quanto para o bebê”. Segundo ele, a fertilidade também cai vertiginosamente a partir dos 35 anos, o que dificulta ainda mais a ocorrência de uma gravidez não estimulada nesta idade.

Para Marcelo Valle, médico responsável pelo Centro de Medicina Reprodutiva da Clínica Perinatal de Laranjeiras (ou ORIGEM), novas técnicas podem ajudar a manter a fertilidade, mas os riscos da gravidez em idade avançada continuam existindo. “A partir dos 38 anos a qualidade dos óvulos cai. O envelhecimento ovariano diminui a formação de blastocistos e de implementação do embrião, além de aumentar as taxas de aborto espontâneo”, disse Valle. Problemas genéticos também são comuns em uma gravidez nesta idade. De acordo com o médico, a chance de gerar uma aberração cromossômica, em laboratório ou naturalmente, também aumenta. “Estudos indicam que menos de 40% dos embriões, oriundos de gestações onde a mãe está próxima dos 40 anos, são normais”, afirmou.

Como alternativa, nos casos em que a mulher deseja engravidar tardiamente, existe hoje a opção do congelamento do tecido ovariano. “O material congelado permite restabelecer a fertilidade, já que será reimplantado quando a mulher optar por engravidar. Entre os benefícios deste método, em comparação ao congelamento de óvulos, destaca-se o fato de não haver necessidade de um estímulo ovariano, que dura de 30 a 40 dias. Os danos causados ao material genético também são menores. No entanto, a revascularização do tecido ainda é bastante difícil. Além disso, o tecido reimplantado pode conter células tumorais e retransmitir uma doença oncológica no caso de pacientes que optam por este método antes de submeter-se a sessões de quimioterapia”, disse o médico. Mas, segundo Valle, ambas as técnicas precisam ser aprimoradas. “Atualmente, a taxa de aborto em fertilizações in vitro chega a 50%, enquanto a taxa de gravidez não ultrapassa 10%”.

Marcos Vianna, professor de Obstetrícia da UERJ e chefe do ambulatório Pré-Natal do Hospital Universitário Pedro Ernesto, aponta que diferenças sócio-culturais se refletem nas complicações obstétricas mais comuns em gestantes com idade avançada. “Um estudo analisou dois grupos de mulheres grávidas com mais de 30 anos. O primeiro era composto de 800 mulheres, que deram a realizaram o parto em clínicas particulares e o segundo compreendia 900 gestantes que deram a luz em hospitais públicos. As primeiras apresentaram discreta elevação em algumas complicações. Já as gestantes menos favorecidas, que recorreram ao sistema público, apresentaram acentuada elevação em disfunções como diabetes, hipertensão e mortalidade perinatal.

A idade é um fator determinante para alguns problemas relacionados à gravidez tardia, mas a condição econômica, de moradia e emocional destas mulheres também precisa ser levada em consideração”, afirmou o professor. Apesar dos riscos, Vianna não desencoraja mulheres com mais de 30 anos a engravidar. “Quando essa for a única opção para a mulher, ela não deve desistir. O pré-natal continua sendo indicado para gestantes de qualquer idade. Hoje, contamos com testes capazes de identificar doenças genéticas precocemente, além de métodos que podem diminuir o impacto de possíveis complicações obstétricas”, concluiu o médico.


Agência Notisa (jornalismo científico – science journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)