Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

23/04/2016 08:00

Montador de móveis será ressarcido por uso de ferramentas próprias no trabalho

TST

 

A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho não conheceu de recurso da Dismobrás Importação, Exportação e Distribuição de Móveis e Eletrodomésticos S.A., de Campo Grande (MS), contra decisão que a condenou a ressarcir um montador de móveis que usava as próprias ferramentas no trabalho.

O montador, que trabalhou por um ano na empresa, alegou que a Dismobrás não fornecia equipamento e, por isso, foi obrigado a usar suas ferramentas para executar a atividade. Por isso, requereu o reembolso dos custos com a utilização e manutenção da maleta de ferramentas, que, segundo o orçamento anexado no processo, correspondia a cerca de R$ 900.

A defesa da Dismobrás afirmou que as ferramentas são inerentes à profissão de montador e que, portanto, não deveria ressarci-lo pelo uso do equipamento.

O juízo da 1ª Vara do Trabalho de Campo Grande (MS) indeferiu o pedido do montador por entender que a empregadora pagava salário superior ao piso da categoria, que já consideraria as utilidades usadas por ele. O Tribunal Regional do Trabalho do Trabalho da 24ª Região (MS) reformou a sentença, por considerar que o fornecimento de ferramentas de trabalho é obrigação do empregador, independentemente de previsão contratual, pois são indispensáveis à execução da atividade.

TST

No recurso ao TST, a Dismobrás apontou violação do artigo 464 da CLT e artigo 5ª, inciso LV, da Constituição Federal, alegando que o ex-empregado já possuía as ferramentas antes de ser admitido e estava ciente de que deveria arcar com o equipamento de trabalho.

O ministro João Oreste Dalazen, relator, assinalou que os dispositivos de lei apontados como violados não guardam pertinência com matéria em debate. Também observou que a decisão trazida pela empresa para comprovar divergência jurisprudencial era inespecífico, pois não partia da mesma premissa do acórdão recorrido, como exige a Súmula 296 do TST.

A decisão foi unânime.

(Alessandro Jacó/CF)

Processo: RR-256-29.2012.5.24.0001

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)