Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/03/2004 08:31

Ministério da Justiça emite nota sobre greve na PF

Luciana Vasconcelos/ABr

O Ministério da Justiça divulgou, na tarde de ontem, nota lamentando a decisão da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) de suspender as negociações em andamento com o governo e promover, a partir de hoje, uma paralisação. Mesmo assim, diz a nota, o Ministério da Justiça está disposto a retomar o diálogo. Além disso, acrescenta a nota, o governo está tomando todas as providências para que, em caso de paralisação, os serviços essenciais prestados pela Polícia Federal sejam mantidos.

A categoria reivindica o cumprimento da Lei nº 9266/96, que prevê o pagamento de vencimento básico de nível superior para os cargos de agente, escrivão e papiloscopista.

Segundo nota, a demanda, no formato apresentado pela entidade, não pode ser atendida pelo governo. “Há um problema de ordem legal. A equiparação salarial entre agentes, escrivães e papiloscopistas com os delegados está em desacordo com a Lei 9.266/96, que estabelece tabela específica para as diferentes carreiras da instituição”, diz.

O Ministério da Justiça acrescenta que, pela proposta apresentada pela Federação ao governo, o salário inicial de agentes, escrivães e papiloscopistas subiria de R$ 4.199,97 para R$ 7.788,31, o que representa um reajuste salarial da ordem de 85,4%. “Como se não bastasse o problema de ordem jurídica que o governo tem para atender ao pedido da categoria, o impacto orçamentário desse pleito seria de R$ 600 milhões, anualmente, na folha de pagamento”, ressalta.


Eis a íntegra da nota:

“O governo federal reconhece o importante papel desempenhado pelos profissionais da Polícia Federal. Desde 1º de janeiro de 2003, o Ministério da Justiça busca melhorar as condições de trabalho dos policiais federais. E tem se mantido atento para garantir a manutenção e o bom funcionamento da Polícia Federal. Tanto que no primeiro trimestre do ano passado, o presidente da República assinou medida provisória, convertida em lei em 2003, para ampliar o quadro efetivo da Polícia Federal. Concursos públicos serão realizados este ano para aumentar o número de servidores, tanto de nível administrativo quanto das carreiras específicas de policial federal.

Por tudo isso, o Ministério da Justiça lamenta a decisão da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) de suspender as negociações em andamento com o governo. A federação apresentou pleito pelos agentes, escrivães e papiloscopistas, que queriam equiparação salarial com o piso da carreira de delegado federal. A demanda, no formato apresentado pela entidade, não pode ser atendida pelo governo. Há um problema de ordem legal. A equiparação salarial entre agentes, escrivães e papiloscopistas com os delegados está em desacordo com a Lei 9.266/96, que estabelece tabela específica para as diferentes carreiras da instituição. Por princípio, é impossível igualar tais níveis hierárquicos.

Pela proposta apresentada pela federação ao governo, o salário inicial de agentes, escrivães e papiloscopistas subiria de R$ 4.199,97 para R$ 7.788,31. Trata-se de um reajuste salarial da ordem de 85,4%. Nenhuma carreira do funcionalismo público no Brasil recebeu reajuste semelhante no mesmo período. Como se não bastasse o problema de ordem jurídica que o governo tem para atender ao pedido da categoria, o impacto orçamentário desse pleito seria de R$ 600 milhões, anualmente, na folha de pagamento.

O Ministério da Justiça observa, ainda, que a equiparação salarial pretendida pela federação pode acarretar, ademais, prejuízo para os servidores que atuam na carreira e não possuem diploma de nível superior. Por definição legal, só a partir de 1996, passou-se a exigir o curso superior para os profissionais que ingressassem na Polícia Federal. Antes desse período, não havia tal exigência.

Mesmo com a decisão da federação de suspender as negociações com o governo federal e iniciar o movimento que pretende paralisar as atividades da Polícia Federal, o Ministério da Justiça está disposto a retomar o diálogo e reabrir as conversas. O governo está tomando todas as providências para que, em caso de paralisação, os serviços essenciais prestados pela Polícia Federal sejam mantidos”.



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)