Cassilândia, Quarta-feira, 23 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

25/11/2003 07:53

Menor reincidente: tempo indeterminado de internação

Elaine Rocha /ABr

Juízo de execução de sanção imposta a menor infrator pode substituir medida sócio-educativa de serviços à comunidade e liberdade assistida por internação em prazo indeterminado. A adoção de medida mais severa pode ocorrer no caso do adolescente cometer novo ato infracional descumprindo as medidas anteriormente adotadas. Com essas conclusões, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o pedido de habeas-corpus de um menor.

Ao menor foram aplicadas medidas sócio-educativas de liberdade assistida e prestação de serviços à comunidade com base em representação movida pelo Ministério Público. De acordo com a representação, o menor teria cometido atos infracionais equiparados aos crimes previstos nos artigos 155, caput, do Código Penal por duas vezes, e 309 da Lei 9.503/97 com o 69 do Código Penal.

O menor, sem justificativa, descumpriu as medidas impostas cometendo novo ato infracional. Com base na nova infração, o Juízo ordenou a substituição das medidas pela internação por prazo indeterminado. Após a internação, ao menor foram concedidas, novamente, as medidas sócio-educativas de liberdade assistida e prestação de serviços à comunidade.

No entanto, "demonstrando total descaso para com a Justiça e o processo ressocializador, o jovem mais uma vez, sem qualquer justificativa, descumpriu as medidas aplicadas", informou o Juízo, que reaplicou a medida de internação por prazo indeterminado.

Tentando reverter a decisão para cassar a medida de internação, a defesa do menor entrou com pedido de habeas-corpus, negado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). Com a decisão desfavorável, a defesa do menor interpôs habeas-corpus no STJ. No pedido, a defesa alegou que, no caso em questão, deveria ser aplicado o artigo 122, inciso III, do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Segundo a defesa, esse artigo determina, quando do descumprimento de medida sócio-educativa, a imposição de internação pelo prazo máximo de três meses. Dessa forma, a decisão que ordenou a internação por prazo indeterminado estaria contrariando o disposto no ECA.Os defensores do menor destacaram ainda que as ações por ele cometidas "demonstram que ele precisa de um sério tratamento psiquiátrico e psicológico" e não de uma medida de internação como a aplicada.

A ministra Laurita Vaz negou o habeas-corpus mantendo a medida de internação por prazo indeterminado imposta ao menor infrator. A relatora destacou que o menor "deixou de cumprir, de forma reiterada e sem justificativa, as medidas sócio-educativas que lhe foram aplicadas e ainda, o que é mais grave, voltou a praticar novos atos infracionais, razão pela qual se impôs, consoante o disposto no artigo 122, inciso II, do ECA, a medida de internação por prazo indeterminado".

Diante dos acontecimentos, Laurita Vaz concluiu não haver qualquer ilegalidade na decisão que impôs a internação do menor, pois "nos termos da sistematização adotada pelo ECA, afigura-se perfeitamente cabível, a qualquer tempo, inclusive na fase de execução da sentença, a substituição de medida sócio-educativa por outra que melhor atenda ao reajustamento social e ao bem estar do menor, nos termos do que dispõe os artigos 99 e 100 com o 113 da Lei 8.069/90 (ECA)".


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 23 de Setembro de 2020
Terça, 22 de Setembro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)