Cassilândia, Terça-feira, 24 de Abril de 2018

Últimas Notícias

04/12/2009 12:54

Medicina boliviana "invade" Mato Grosso

24 horas News

O caos na saúde definido pelo presidente da CPI da Saúde da Assembléia Legislativa, deputado Sérgio Ricardo (PR), parece ser pouco para o quadro que existe além dos setores de emergência dos principais unidades de atendimento de emergência da Grande Cuiabá, onde é comum se encontrar cidadãos deitados em macas pelos corredores. As denuncias se sucedem a cada instante. Nesta quinta-feira, o presidente do Conselho Regional de Medicina, Arlan de Azevedo, trouxe dois elementos estarrecedores: a fila de espera no transplante e a invasão da medicina boliviana.

Primeiro a fila dos transplantes. Atualmente, pelo menos 700 pessoas aguardam na fila do transplante renal e 300 estão a espera de córneas. Não por falta de doador, mas porque o convênio com o Ministério da Saúde deixou de ser renovado em razão da falta de alvará de funcionamento dos hospitais mato-grossenses. Um relaxo que estaria custando o sacrifício dessas e de muitas outras pessoas que sequer arriscam a entrar na fila de espera.

Em seu depoimento, o presidente do CRM apresentou dados da estrutura de atendimento e as deficiências notificadas nas visitas feitas pelo conselho em diversos municípios mato-grossenses. O relatório é resultado de vistorias realizadas nos anos de 2008 e 2009 e evidencia os principais problemas. O principal deles é que somente dois hospitais na capital e nenhum do interior tem o alvará da vigilância sanitária.

“ Somente o Hospital Geral Universitário e outro da rede pública tem o alvará em Cuiabá - revelou. Em sua maioria, as unidades trabalham mediante assinatura de um termo de ajustamento de conduta.

Agora vem outra parte pior e preocupante. A precarização do trabalho também é flagrante em Mato Grosso. Segundo Arlan, 56% do pessoal que atua nas unidades de saúde vistoriada são prestador de serviço. A região de fronteira sofre um agravante, médicos formados na Bolívia e sem a revalidação do diploma no Brasil são contratados. Não bastasse isso, tem a existência na própria rede pública de duas tabelas de pagamento desses profissionais. “ Há um preço para os formados e um para os não formados“ - disse o presidente do CRM in formando ainda que 80% dos formados no país vizinho e que tentam revalidar o diploma no Brasil não obtém sucesso.

Há muito mais. Arlan elencou falta de sala de recuperação pós-anestésico, de carinho de reanimação, a cobertura é precária, com apenas 32% de cobertura, falta de núcleos de apoio de Saúde da Família, desarticulação entre os níveis de atenção- baixo, média e alta complexidade -, gestões não personalizas com fisiologismos políticos e tabelas diferenciadas de pagamento. “Tudo isso demonstra que nossas cidades precisam de estrutura física e humana para manter o atendimento”, concluiu.

Tanto entre os membros da CPI, como da parte do Conselho Regional de Medicina o consenso é de que é necessária a ampliação dos recursos do SUS, uma nova política de gestão e atenção especial a atenção para básica para evitar que o cidadão chegue a necessitar de atendimentos de média e alta complexidade. Ainda, de que é necessária a construção de um hospital regional na capital para responder pela demanda que superlota os Pronto Socorros Municipais de Cuiabá e Várzea Grande.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 24 de Abril de 2018
Segunda, 23 de Abril de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)