Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

10/08/2005 08:43

Mato Grosso: Impasse nas negociações pela CBHPM

Assessoria de Imprensa da AMMT - CFM

Os médicos de Mato Grosso não aceitam mais negociar com a superintendente estadual do Grupo Unidas, Marlova Schmaedecke. A decisão foi tomada na quinta-feira (4 de agosto), durante assembléia geral da categoria, realizada na sede da Associação Médica de Mato Grosso (AMMT). O que motivou a insatisfação dos profissionais foi a informação de que a superintendente de Mato Grosso não tem informado a verdade para os dirigentes nacionais da Unidas e tem dificultado a negociação.
A assembléia contou com a participação do presidente da Associação Médica Brasileira, Eleuses Vieira Paiva, e do coordenador da Comissão Nacional para Implantação da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos, Samir Dahas Bittar. Os dois dirigentes nacionais foram a Cuiabá para dar apoio ao movimento e intermediar uma negociação com a Unidas.
Horas antes da assembléia, os representantes nacionais e os membros da Comissão Estadual de Honorários Médicos de Mato Grosso (CEHM) se reuniram com a superintendente nacional do Grupo Unidas, Marília Ehl, e com a superintendente estadual, mas não houve acordo.
Segundo a coordenadora da Comissão Estadual de Honorários Médicos, Maria Cristina Pacheco da Costa, a minuta de contrato apresentada pela Unidas de Mato Grosso à superintendente nacional não é o mesma entregue pela Comissão. "Não é a primeira vez que essa dirigente age dessa forma, a falta de seriedade dela é que tem dificultado a negociação e com isso os maiores prejudicados são os usuários dos planos de saúde", afirmou Maria Cristina.
Eleuses Paiva explicou que a reivindicação dos médicos de Mato Grosso não é nada diferente do restante dos Estados. "Já fizemos acordo em 20 Estados, não compreendo porque os dirigentes da Unidas de Mato Grosso estão tomando esta postura", destacou Paiva.
Com isso, está mantida a suspensão do atendimento a 22 planos de saúde, a maioria ligada à Unidas, que compreendem 150 mil pacientes. Ainda durante a assembléia, a proposta da operadora Amil foi rejeitada por não contemplar a CBHPM. Uma nova assembléia deve ser marcada nos próximos dias.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)