Cassilândia, Domingo, 20 de Maio de 2018

Últimas Notícias

29/08/2013 09:02

Máquina de lavar estraga roupas e cliente recebe indenização

TJMS

Sentença homologada pela 2ª Vara do Juizado Especial Central de Campo Grande julgou parcialmente procedente o pedido ajuizado por S.B.P. contra uma empresa fabricante de eletrodomésticos, uma loja e uma assistência técnica, condenadas a restituir ao autor o valor de R$ 1.199,00, mais a quantia gasta com a garantia estendida com os devidos acréscimos legais, e indenização por danos morais equivalente a R$ 1.500,00.

O autor alega nos autos que comprou uma máquina de lavar roupas na loja ré e, juntamente com a compra, fez a aquisição de um certificado de garantia estendida, o qual acabou estendendo por mais um ano a garantia de fábrica.

No entanto, narra que a máquina apresentou defeito, o qual cortava as roupas do autor, causando assim diversos prejuízos. Afirma que procurou a assistência técnica, mas não obteve êxito nos consertos, pois a máquina continuava a destruir as roupas.

Desse modo, requereu que o fabricante, a loja de eletrodomésticos e a assistência técnica, fossem condenados ao pagamento de indenização por danos materiais e morais.

Em contestação, o fabricante descreve que não houve comprovação por parte de S.B.P. sobre os danos apresentados nos autos. A loja ré sustentou que não pode ser responsabilizada pelo problema da máquina e que não possui meios para constatar a irregularidade alegada pelo autor. Acrescenta que é mera revendedora do produto, que não houve conduta ilícita da sua parte, sendo assim o fabricante o único responsável pelo fato. Requer, por fim, a improcedência total da ação, alegando também que o autor não comprovou tais prejuízos. A terceira ré, no entanto, não apresentou contestação em juízo e não compareceu a audiência de conciliação.

De acordo com a sentença, “a responsabilidade pelo vício do produto ou do serviço é aquela atribuída ao fornecedor por anormalidade que sem causar riscos a saúde e a segurança do consumidor, afeta a funcionalidade do produto ou do serviço nos aspectos da qualidade e quantidade, tornando-os impróprios ou inadequados ao consumo, ou lhes diminuam o valor. Outrossim, o CDC é legislação que visa compensar desigualdades materiais fáticas de maneira a equilibrar, social e economicamente, as partes envolvidas em uma relação de consumo. Resta claro que houve no caso em comento a responsabilidade solidária do fornecedor e do fabricante do produto”.

Quanto aos danos morais requeridos pelo autor, “neste sentido o transtorno e os aborrecimentos sofridos pelo autor vão além de mero dissabor, pois houve total descaso no reparo ou na troca do produto viciado. Está configurado o dever de indenizar porque o dano se caracteriza também pelo desconforto, não sendo difícil supor-se o sentimento de impotência do consumidor e seu inegável estresse psicológico diante da má prestação de serviço”.

Com relação aos danos materiais, “impõe-se o acolhimento do pedido formulado pelo autor, no tocante a restituição do valor do produto defeituoso pelos réus, solidariamente. Assim, os mesmos devem devolver o valor pago pelo produto defeituoso, indicado no pedido de venda, no valor de R$ 1.199,00”.

Por fim, conforme na sentença, “quanto ao pedido de ressarcimento no patamar de R$ 724,00 no tocante aos fardamentos militares, bem como o pedido de R$ 1.432,00 referentes as avarias sofridas nas roupas dos familiares do autor, ambos são indeferidos de pronto, por não ter havido a comprovação da extensão dos prejuízos patrimoniais alegados”.

Processo nº 0811121-26.2012.8.12.0110

Autor da notícia: Secretaria de Comunicação Social - imprensa.forum@tjms.jus.br

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Maio de 2018
Sábado, 19 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)