Cassilândia, Sexta-feira, 24 de Março de 2017

Últimas Notícias

12/10/2007 09:28

Manutenção: projeto obriga preso a ressarcir gastos

Agência Câmara

A Câmara Federal analisa o Projeto de Lei 854/07, do deputado Neilton Mulim (PR-RJ), que obriga o condenado a pena restritiva de liberdade (ou o preso provisório) por crimes de tráfico ilícito de entorpecentes; participação em organização criminosa; e crimes contra a administração pública ou contra o sistema financeiro a ressarcir o Estado, mensalmente, pela quantia gasta pelo poder público para mantê-lo preso. A proposta altera a Lei de Execução Penal (Lei 7.210/84).

De acordo com Neilton Mulim, presos como os que cometem "crimes do colarinho branco" cumprem suas penas para, depois, usufruírem dos valores que a atividade criminosa lhes proporcionou, muitas vezes subtraídos do próprio poder público. O objetivo do projeto, segundo o deputado, é corrigir esse tipo de distorção. "Os custos de condenados por tais práticas delituosas são muito altos." Ele presume que o preso, nesses casos, tem condições financeiras para arcar com a sua estada na prisão.

Segundo o autor do projeto, a sociedade brasileira está atônita diante do grau a que chegou a criminalidade. "Há um debate já comum nos meios de comunicação sobre esse assunto, que passou a ser um tema político de altíssima relevância", afirma.

Ele ressalta que a falta de esperança da sociedade chegou ao seu limite extremo, e portanto é preciso que uma medida seja tomada com urgência para enfrentar o problema pela via legislativa.

Falta de regras
Na avaliação do deputado, uma das questões se refere exatamente ao modo com que o Estado deve lidar com os cidadãos encarcerados. Segundo ele, é fato de domínio público que a falta de regras claras contribui para piorar o estado das coisas. Ele considera inadmissível que os responsáveis pela insegurança da sociedade acabem sendo custeados pelo Erário.

Tramitação
O projeto será votado em Plenário. Ele tramita em conjunto com o PL 704/95, do deputado Ricardo Izar (PTB-SP), que tem teor semelhante. Ambos serão analisados pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 24 de Março de 2017
Quinta, 23 de Março de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 22 de Março de 2017
21:53
Cassilândia
20:41
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)