Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

17/03/2008 17:16

Mantega admite agravamento na crise financeira

Daniel Lima/ABr

Brasília - O ministro da Fazenda, Guido Mantega, admitiu hoje (17) que houve um agravamento na crise financeira internacional e que se refletiu em todos os mercados no mundo. "As bolsas caíram em todos os lugares, inclusive aqui no Brasil. A quebra daquele banco Bear Stearns causou uma certa comoção, é o quinto maior banco de investimentos americano" disse.


Segundo ele, o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), tomou medidas que poderão acalmar o mercado, com a redução da taxa de redesconto (cobrada pelo banco central ao emprestar a outros bancos).


O ministro também disse acreditar que amanhã (18) o Fed anunciará novas medidas para reduzir, desta vez, os juros básicos da economia dos Estados Unidos. E procurou tranqüilizar os investidores em relação ao Brasil.

"Nós aqui no Brasil estamos numa situação sólida. Evidentemente, o mercado de renda variável está sendo afetado, é inevitável que isso aconteça. Porém, a economia ainda não sofreu nenhuma conseqüência do agravamento dessa crise. Estamos atentos, vigilantes. E tomaremos as medidas que forem necessárias se isso acontecer", afirmou.

Mantega reiterou que a segurança da economia brasileira está nos fundamentos, que disse serem sólidos como nunca estiveram antes. E lembrou que o país tem hoje reservas de quase US$ 200 billhões, além da confiança internacional.

"Os analistas internacionais são unânimes em dizer que o Brasil é um porto seguro. O Brasil é hoje o local onde as coisas vão bem. As empresas estão sólidas, os bancos brasileiros estão sólidos, não estão envolvidos nessa crise. Portanto, até agora nós estamos resguardados", disse.

Para o ministro, por enquanto as conseqüências da crise financeira internacional são periféricas, no mercado de renda variável (mercado de ações). Ele disse não ver necessidade de elevação dos juros no Brasil, ao lembrar que as taxas têm baixado. E destacou que a preocupação deve ser com o nível de atividade da economia em relação ao crédito.

"Há um grande problema de crédito e o que deve ser feito é impedir que esse tipo de problema de crédito se espalhe por toda a economia. Isso é tarefa dos bancos centrais americano e europeu. É frear a extensão da crise, o contágio de todas as economias por essa crise, que se originou no setor financeiro", disse.



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)