Cassilândia, Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

17/06/2005 08:44

Manoel Afonso conta como é a vida de viúvo

Manoel Afonso, dispensa apresentação e elogios. Todos sabem da sua capacidade de colocar no papel o que sente. Viúvo, há algum tempo, escreveu um artigo que a leitura é necessária. Vamos a ele:


Dia das Mães: ganhei uma gravata e parabéns das filhas gêmeas. Mais um capítulo inédito nesta nova fase pessoal. Quando se casa, imagina-se que tudo será como nos filmes de propaganda: família criada, os dois velhinhos e cheios de netos. Aí, vem um câncer e a gente fica na estrada, tipo “sem pneu de estepe” – meio assim borocoxô. E agora Mané? Terapia, lágrimas, saudade e responsabilidade dobrada são reais. Não adianta desesperar. Não resolve!
Eu nunca notara: os viúvos são em menor número; as mulheres, na maioria, “vão” depois. Aliás, na vizinhança da minha mãe, no interior paulista, só tem viúvas. Apenas um ou outro viúvo, de idade bem avançada.
A cidade grande e a falta de parentes próximos pesam. Primeiro, porque viuvez é problema pessoal. Ninguém é obrigado a ouvir suas lamúrias. Todos têm os seus próprios problemas de ordem pessoal-familiar. O pior, a gente se retrai e se afasta dos amigos com os quais se reunia para o churrasco e eventos. Exemplo: Como ir só, ou com as filhas, comemorar o “Dia das Mães”? Meio estranho. Quanto aos parentes, eles fazem falta nesta hora. E como todos moram longe, complica! Dizem que parente é serpente, mas o abraço, mesmo daquele primo chato é bem-vindo, porque o sangue fala mais alto nessas horas.
Detalhe: homem é bicho mole, medroso. Não tem coragem de ir ao médico nem para o exame da próstata. Dizem que homem se casa por medo de ficar só na velhice. Um cidadão aposentado, disse-me: “tenho medo de ficar por último”. Outro me confessou: “nem imagino ficar sozinho naquele casarão”. Enquanto isso, a mulher é mais forte, agüenta as provações. Aliás, conheço muitas – viúvas e pobres – que criaram filhos honrados. Ela vai à luta! Consegue se adaptar mais fácil à nova realidade.
É na viuvez que o homem tem a dimensão exata da enorme responsabilidade da mulher na administração do lar. As refeições, o cachorro, o jardim, as compras, os excessos da empregada, a manutenção da piscina, o horário dos filhos e até o gás que pifou antes do almoço. Não há como fugir! Tem que encarar! Reclamar para quem?
As filhas – um desafio gratificante! Elas têm ligação uterina com a mãe. A dor pela perda corta fundo, lá na alma. Sabem; os afagos, os pratos especiais e os docinhos – nunca mais! Uma delas lembrou: “quando eu casar, meus filhos não curtirão uma vovó. E a mamãe era tão bonita!”. Frases de engolir seco. Pelas cartas psicografadas, sabem que a mãe está em paz, mas isso não basta! Ledo engano: “saudade da mãe, não passa, só aumenta!” E mais: é preciso serenidade para lidar com questões comportamentais próprias da idade. Quando é o caso, recorro às amigas, com as quais as garotas têm identidade.
Mas os problemas não acabam por aí. Natal, Ano Novo, aniversários, viagem de férias, não são mais como antes. Sacou? A casa é a cara da mulher, e mesmo sem ela, ficam as marcas: desde o jardim, passando pela decoração, indo aos mínimos detalhes que fazem da casa um lar! Falar em jogar tudo fora, trocar de endereço é fácil – só na teoria. Consulto sempre as filhas, para não magoá-las. O que elas decidem – tudo bem. Acato. Misto de democracia e respeito “in memoriam”.
Chorar pode. Eu, às vezes, no fundo do quintal e elas, no quarto, juntinhas. Às vezes nos deparamos, pela casa, sem graça, com os olhos brilhando. Mas, após um ano, elas já concluíram que, a vida continua, a caravana e a banda passam; o viúvo na contramão, descartável. O objetivo não é lamentar, emocionar, só relatar essa experiência aos leitores, especialmente os casados. Quem tem mulher, cuide! E arremato citando Mario Quintana: “A vida é uma estranha hospedaria, de onde se parte quase sempre às tontas, pois nem as malas estão prontas e nem nossa conta está em dia”. De leve!

Manoel Afonso - jornalista e
comentarista da TV Record MS.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 18 de Fevereiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)